Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

STF tem maioria para derrubar mais um decreto do presidente Bolsonaro

7 dos 11 ministros já manifestaram votos contrários.

Carolina Antunes | PR

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria, em julgamento virtual iniciado na última sexta-feira (13), para derrubar a Resolução nº 500/2020. As informações são do portal Metrópoles.

Trata-se do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) que alterou três normas anteriores referentes ao licenciamento para empreendimentos de irrigação e dos limites de Áreas de Preservação Permanente (APPs).

Rosa Weber, que é a relatora, argumenta que a resolução “vulnera princípios basilares da Constituição Federal, sonega proteção adequada e suficiente ao direito fundamental ao meio ambiente equilibrado nela assegurado e promove desalinho”.

Ainda de acordo com Weber, a Resolução 284/2001 visa garantir proteção em torno dos processos ecológicos, incluindo o manejo sustentável dos ecossistemas.

Os ministros Luiz Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes seguiram o voto da magistrada. Com isso, 7 dos 11 ministros do Supremo já manifestaram seus votos no julgamento virtual, que será encerrado até a próxima sexta-feira (20).

André Mendonça, Nunes Marques, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux ainda não votaram.

Com a apreciação, será o quarto decreto ambiental do presidente Jair Bolsonaro (PL) a ser derrubado pelo STF em menos de 40 dias. A Corte entendeu que as medidas tomadas pelo Executivo violavam a Constituição por abrir margem, segundo os magistrados, para o desmatamento, além de dificultar a arrecadação de dinheiro para a preservação da Amazônia e do meio ambiente no país.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Os dois principais nomes aparecem isoladamente na liderança da corrida ao Planalto.

Judiciário

Fux diz que eventual derrubada de plenário virtual pode trazer 'colapso' ao Judiciário.

Política

Comunicadora diz cortes do governo federal em verbas de publicidade incomodam os meios de comunicação.

Judiciário

Ministro conduzirá trabalhos do colegiado por um ano, a partir de agosto.