Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Xuxa perde processo de indenização contra Carla Zambelli

Apresentadora deverá pagar custas processuais e despesas com honorários advocatícios.

Marcos Oliveira | Agência Senado

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) negou reparação de danos morais ajuizada pela apresentadora Xuxa Meneghel contra a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

A demanda judicial foi motivada após a parlamentar criticar, por meio das redes sociais, o lançamento de um livro da artista voltado para crianças e com temática LGBT.

Na publicação, a congressista lançou uma hashtag em que pedia para Xuxa deixar o público infantil “em paz”.

Na petição, os advogados da apresentadora afirmaram que o post quis associar a apresentadora à pedofilia, imputando “crime que não cometeu, de forma a atingir a sua honra”. Os defensores pleitearam indenização de R$ 150 mil.

Ao deliberar sobre o feito, a juíza Carolina Pereira de Castro, da 15ª Vara Cível da capital paulista, considerou que a deputada apenas exerceu sua liberdade de expressão, emitindo uma opinião.

“A manifestação, ainda que possa demonstrar desconhecimento pela ré acerca da temática do livro que seria lançado pela autora, apenas fez uma crítica seja boa ou ruim – à obra que seria produzida pela autora, o que apesar de denotar uma preocupação exacerbada com a educação sexual de crianças, não implica a ocorrência de lesão extrapatrimonial digna de nota”, escreveu a magistrada, que julgou improcedente o pedido.

Além de perder a ação, Xuxa deverá pagar as custas processuais e despesas com honorários advocatícios, no valor de 10% da causa, ou seja, R$ 15 mil.

Clique AQUI para ler a íntegra da sentença.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

Dono da JBS chamou o ex-presidente de ‘chefe de organização criminosa’.

Judiciário

Operação apura lavagem de dinheiro e corrupção no Postalis.

Judiciário

Indicado por Bolsonaro, ex-AGU aguarda desde o dia 13 de julho.

Judiciário

Ministro pediu mais tempo para decidir; julgamento começou em 26 de agosto.