Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Bombardeiros nucleares russos aterrissam na África, enquanto Putin recebe líderes do continente em Sochi

Nesta quarta-feira (23), a Rússia aterrissou o bombardeiro mais pesado do mundo na África do Sul, em uma rara demonstração de cooperação militar entre as duas nações, enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, recebia líderes africanos em um fórum econômico em seu país, informou a ABC News.

Dois bombardeiros estratégicos Tupolev Tu-160, que são aeronaves supersônicas da era soviética capazes de lançar mísseis nucleares, aterrissaram na base da Força Aérea de Waterkloof, em Centurion, sul da capital Pretória, na África do Sul.

É a primeira vez que bombardeiros Tu-160 aterrissam no continente africano.

Tu-160
O Tu-160 é um bombardeiro estratégico, supersónico desenvolvido na ex-União Soviética. Construído em pequenas quantidades, ainda no tempo da ex-URSS, estima-se que cerca de 32 unidades foram produzidas, incluindo protótipos.

Embora várias aeronaves de transporte civis e militares tenham dimensões maiores, o Tu-160 é a maior aeronave de combate, a maior aeronave supersônica e a maior aeronave com asas de geometria variável.

Os aviões de guerra russos foram escoltados à chegada por dois aviões de combate da Força Aérea da África do Sul, de acordo com um comunicado das Forças de Defesa Nacional da África do Sul, que observou os “fortes vínculos históricos com as relações diplomáticas” entre a Rússia e a África do Sul.

Parceria estratégica
O Ministério da Defesa da Rússia disse, em comunicado separado, que o envio da aeronave para a África do Sul reflete uma “parceria estratégica” e visa ajudar a “desenvolver a cooperação militar bilateral”.

“As relações ‘Militar para Militar’ entre os dois países não se baseiam apenas na política de luta, mas na promoção de parcerias mutuamente benéficas, baseadas em interesses comuns”, disseram as Forças de Defesa Nacional da África do Sul em um comunicado de quarta-feira.

Cúpula Rússia-África
A chegada dos bombardeiros com capacidade nuclear, em um dos países mais industrializados da África, pareceu coincidir com o início da primeira cúpula Rússia-África, com o objetivo de aumentar a influência de Moscou no segundo maior e segundo populoso continente do mundo.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, estava entre os líderes africanos que se encontraram com Putin à margem do evento de dois dias na cidade de Sochi, no sul da Rússia.

Dezenas de chefes de Estado africanos e outras altas autoridades participaram da cúpula de alto nível, em que Putin expressou grande interesse na África e saudou o “enorme potencial de crescimento do continente”. Ele observou como a Rússia reduziu mais de US $ 20 bilhões em dívidas africanas devidas à União Soviética, que desfrutavam de fortes laços econômicos e políticos em toda a África até seu colapso em 1991.

“Nosso país apoiou resolutamente os africanos em sua luta pela independência e soberania. Nossos especialistas ajudaram os Estados africanos a superar a pobreza e a desenvolver suas economias. Eles participaram da construção de instalações industriais, agrícolas e sociais, incluindo hospitais e escolas. Também ajudaram os africanos a criar e equipar forças capazes de combater”, disse Putin em seu discurso na recepção de gala da cúpula na quarta-feira.

O líder russo pediu que o comércio com a África dobrasse nos próximos cinco anos. Ele também divulgou projetos atuais e potenciais para ajudar as nações africanas a aproveitar os vastos recursos do continente.

Petróleo, gás, indústria nuclear e diamantes
Várias empresas russas estão implementando “projetos promissores de petróleo e gás” em toda a África, enquanto a Alrosa, controlada pelo Kremlin, o maior produtor de diamantes do mundo, está desenvolvendo depósitos de diamantes no continente e a empresa nuclear estatal russa, Rosatom, está procurando construir uma indústria nuclear, de acordo com Putin.

Influência geopolítica

A Rússia se une à China e aos Estados Unidos na pressão pela influência geopolítica na África, que abriga 1,5 bilhão de pessoas e possui algumas das economias que mais crescem no mundo. O Kremlin disse que um pacote de acordos comerciais, econômicos e de investimento deve ser assinado após a cúpula Rússia-África.

“Muitas empresas russas trabalham há muito tempo, e com sucesso, com parceiros dos mais diferentes setores da economia africana e planejam expandir sua influência na África. É claro que forneceremos apoio no nível de Estado”, disse Putin à multidão em Sochi, na quarta-feira.

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Mundo

É o que diz um documento do Instituto de Pesquisa Estratégica da Escola Militar da França.

Mundo

Indústria de armas russa competiria com a dos Estados Unidos, que até agora tem sido o fornecedor indiscutível de equipamento militar para o reino...

Mundo

Um avião com 28 pessoas caiu nesta terça-feira (6) no extremo leste da Rússia, informaram agentes de resgate. O Antonov An-26, de duas turboélices,...

Últimas

Mais de 30 pessoas ficaram feridas na cidade de Kazan