Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

China sofre ‘bullying tecnológico’ por causa do 5G, diz embaixador

Representante diplomático acusou os EUA de interferência na escolha autônoma da tecnologia.

Romulo Serpa | Agência CNJ

Em entrevista ao Estadão, o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, comentou sobre a tecnologia 5G, as relações com os Estados Unidos e com o Brasil.

Segundo ele, o país asiático não quer impor ideologia nem buscar uma hegemonia no mundo. Para Wanming, a China quer ser vista com uma visão “racional e objetiva”.

Sobre o 5G, relatou que o regime de Xi Jinping sofre “bullying tecnológico” por parte dos EUA.

“O 5G vai dar um impulso ao crescimento econômico dos países e é fundamental para qualquer país escolher equipamentos verdadeiramente confiáveis, avançados e de melhor custo-benefício. Os consumidores só se beneficiarão com uma concorrência justa, equitativa, aberta e transparente”, declarou.

“Mesmo com um histórico manchado em matéria de segurança de internet e autor descarado de ataques cibernéticos contra outros países, os EUA têm usado repetidamente o pretexto de segurança nacional para cercear empresas chinesas de alta tecnologia e interferir na escolha autônoma de parceiros de 5G por outros países. O objetivo não é, de forma alguma, proteger a segurança cibernética, mas sim manter sua rede de vigilância e a hegemonia digital, um ato típico de bullying tecnológico”, acrescentou.

Ao falar sobre a relação com o Brasil e com o governo do presidente Jair Bolsonaro, o representante chinês disse ter uma sintonia na visão das relações diplomáticas depois da troca de comando no Itamaraty de Ernesto Araújo para Carlos Alberto Souza Franco.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Presidente dos EUA garantiu que agirá 'rapidamente' se uma atualização da vacina for necessária.

Mundo

Júri de Wisconsin reconheceu que Kyle Rittenhouse não fez nada de errado e o considerou inocente.

Mundo

Casa Branca incluiu 12 empresas do país asiático em lista negra comercial.

Economia

Ritmo de recuperação é menos intenso que o previsto inicialmente.