Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Cidade do México alega “justiça social” e substitui estátua de Colombo por monumento de mulher indígena

Prefeita esquerdista Claudia Sheinbaum diz que novo marco valoriza papel histórico das mulheres no país.

Randal Sheppard | Flickr

Uma estátua proeminente do navegador e explorador Cristóvão Colombo em uma das principais vias da Cidade do México será substituída pela de uma mulher indígena mexicana.

O anúncio foi feito pela prefeita da capital, Claudia Sheinbaum, neste último domingo (5). No ano passado, o monumento já havia sido retirado da avenida Paseo de la Reforma para trabalhos de restauração antes de um protesto anual.

Agora, contudo, a estátua dará lugar a um símbolo que, na visão da prefeitura, representa “justiça social” em relação ao papel das mulheres no México.

“É claro que reconhecemos Colombo. Mas há duas visões”, declarou a prefeita, acrescentando que uma era a perspectiva europeia da “descoberta da América”, embora civilizações já existissem por séculos na região.

“E tem outra visão daqui, de que, na verdade, chegou um europeu na América, que fez um encontro entre dois lugares, e aí veio a conquista [espanhola]”, acrescentou.

A estátua de Colombo será transferida para um “lugar digno” na cidade, de acordo com a mandatária.

Importante esclarecer que a prefeita Sheinbaum é uma aliada do presidente esquerdista Andrés Manuel López Obrador, que possui o discurso de que seu governo defende as “comunidades pobres e indígenas”.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Segundo organizadores, “fronteiras abertas alimentam a epidemia da escravidão moderna”.

Mundo

Sem participação brasileira, evento reuniu líderes esquerdistas para discutir 'cooperação regional'.

Mundo

Iniciativa visa contrapor organizações de esquerda como 'Grupo de Puebla' e 'Foro de São Paulo'.

Mundo

Penalizar interrupção da gravidez será considerado inconstitucional; estados precisam regulamentar a questão.