Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Conservadora Jeanine Áñez é a presidente interina que promete pacificar a Bolívia

Jeanine Anez

Na terça-feira (12), em sessão extraordinária no Parlamento, a conservadora Jeanine Áñez se declarou presidente interina da Bolívia, após apontar indefinição na linha sucessória do esquerdista Evo Morales. A senadora e advogada de 52 anos é oriunda da região nordeste de Beni, na fronteira com o Brasil.

Cristã, a presidente interina imediatamente fez questão de se destacar de Morales, um socialista que havia eliminado os juramentos religiosos.

Áñez entrou no Palácio do Governo com uma Bíblia – encadernada em couro – na mão e a faixa presidencial no ombro. Levantando a Bíblia acima de sua cabeça e com um sorriso largo declarou: “Deus permitiu que a Bíblia voltasse ao palácio [presidencial]. Que Ele nos abençoe”.

Jeanine Áñez foi escolhida pelo Parlamento por ter a capacidade de liderar o país fora da crise, provocada pelo socialismo de Morales, que fraudou sua reeleição no mês passado.

“De acordo com a ordem constitucional, é meu papel aceitar esse desafio com o único objetivo de convocar novas eleições. Estou comprometida em tomar todas as medidas necessárias para pacificar o país”, disse ela, em sua sessão de juramento.

Áñez tornou-se a 66º presidente da Bolívia e a segunda mulher a ocupar o cargo. A última mulher a servir como presidente da Bolívia foi Lidia Gueiler, que ocupou o cargo por menos de dois anos, antes de ser deposta em 1980.

Áñez prometeu realizar novas eleições “o mais rápido possível”.

“É um compromisso que assumimos com o país e, é claro, vamos cumpri-lo”, disse Jeanine Áñez.

Áñez serviu de 2006 a 2008 como membro de uma assembleia que redigiu a constituição atual. Ela é senadora desde 2010 e membro do partido político conservador Unidade Democrática. Ela foi nomeada segunda vice-líder do Senado, de acordo com a tradição de que todos os partidos estejam representados nos principais cargos.

A tomada de posse de Áñez foi aprovada pelo Tribunal Constitucional e provocou júbilo em sua cidade natal, Trinidad. O povo boliviano também comemorou em La Paz e outras grandes cidades.

Anez apoiou o uso da bandeira “wiphala” ao lado da bandeira nacional boliviana. O wiphala é um símbolo multicolorido dos povos indígenas andinos.

Referindo-se às acusações contra Morales, Áñez prometeu que “nunca mais uma eleição seria fraudada”.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Movimento ao Socialismo tenta recuperar simpatizantes para voltar ao comando do país.

Últimas

Droga era exportada da Bolívia para o Espírito Santo

Mundo

A ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, pediu sua libertação da prisão, nesta última quarta-feira (21), para ser internada em um hospital por recomendação...

Mundo

Segundo Fujimori, o mundo não aceita mais o comunismo e o socialismo.