Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Em mensagem de Natal, papa Francisco critica polarização e pede mais diálogo

Pontífice destacou que não se pode fechar os olhos para conflitos que “parecem nunca ter fim”.

Marcos Lozada Echenique | Flickr

O papa Francisco, em sua mensagem de Natal no último sábado (25), lamentou a crescente polarização nas relações pessoais e internacionais, dizendo que só o diálogo pode resolver conflitos que vão desde disputas familiares até ameaças de guerra.

Em sua mensagem Urbi et Orbi (para a cidade e para o mundo, em tradução livre), ele conclamou as pessoas e os líderes mundiais a conversarem entre si em vez de se isolarem, uma brecha que ele diz ter sido exacerbada pela pandemia da Covid-19.

“A nossa capacidade de relacionamento social é posta à prova, é reforçada a tendência de fechar, de se defender, de desistir de sair, de nos encontrar, de colaborar”, declarou o pontífice da varanda central da Basílica de São Pedro.

Tensões e crises

Também a nível internacional corre-se o risco de evitar o diálogo, segundo ele. “Mas são esses, na realidade, os únicos que levam à resolução de conflitos e a benefícios compartilhados e duradouros”, afirmou.

Francisco, que completou 85 anos na semana passada, listou conflitos, tensões ou crises na Síria, Iêmen, Israel, Territórios Palestinos, Afeganistão, Mianmar, Ucrânia, Sudão, Sudão do Sul e outros lugares.

“Estamos tão habituados que tragédias imensas já são esquecidas; corremos o risco de não ouvir os gritos de dor e desespero de muitos de nossos irmãos e irmãs”, disse o papa.

“Neste dia de festa, rogamos-lhe que desperte nos nossos corações os anseios de reconciliação e de fraternidade”, finalizou.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Líder da Igreja Católica diz que é preciso mais transparência para manter a confiança dos fiéis.

Mundo

Pontífice defendeu 'solução diferente' para equilibrar poder mundial.

Mundo

Ele falou após a oração do Angelus, na Praça de São Pedro

Saúde

Para "voltar à normalidade", Tedros Adhanom afirma ser necessário "tomar decisões difíceis".