Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

EUA desenvolverão novos mísseis após saída de tratado de armas nucleares

Nesta sexta-feira (2), minutos depois de a Rússia declarar o fim do tratado para limitação de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês), o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou a retirada formal dos Estados Unidos do tratado que havia sido assinado em 1987 pelo presidente americano Ronald Reagan e o presidente soviético Mikhail Gorbachov, limitava o uso de mísseis de médio alcance, tanto convencionais como nucleares.

Logo depois, o governo americano anunciou que começará a desenvolver novos mísseis terra-ar, dando início a uma nova corrida armamentista entres as duas potências nucleares globais.

“Agora que nos retiramos (do tratado), o Departamento de Defesa continuará com o desenvolvimento destes mísseis convencionais para lançamento terra-ar, como uma resposta prudente às ações da Rússia” — disse o chefe do Pentágono , Mark Esper.

O chefe do Pentágono, Mark Esper, acrescentou que os americanos começaram as pesquisas sobre estes sistemas de mísseis em 2017, enquanto permaneciam sob o tratado INF relativo às forças nucleares intermediárias. Mas como os Estados Unidos cumpriram “escrupulosamente” suas obrigações com o tratado de 1987 até sua retirada formal, “estes programas estão nas primeiras etapas”, afirmou Esper em um comunicado.

O presidente Donald Trump assegurou que qualquer novo tratado para frear o desenvolvimento de mísseis nucleares deveria incluir também a China.

Comentários

FALE COMIGO: davy@conexaopolitica.com.br — chefe de redação do Conexão Política e natural do Rio de Janeiro (RJ).

Mundo

Nesta terça-feira (30), a Rússia reiterou a parceria estratégica com o Brasil e comemorou a entrada do país, em janeiro de 2022, no Conselho...

Mundo

Júri de Wisconsin reconheceu que Kyle Rittenhouse não fez nada de errado e o considerou inocente.

Mundo

Casa Branca incluiu 12 empresas do país asiático em lista negra comercial.

Mundo

País comunista se opõe 'firmemente' e afirma que Biden comete 'erro' ao acenar para a ilha.