Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

EUA, Rússia e outros 3 países se comprometem a evitar guerra nuclear

Nações afirmaram que impedir conflito é uma ‘responsabilidade prioritária’.

Ken Millard | Flickr | Foto ilustrativa

China, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e França declararam que uma expansão dos armamentos nucleares e uma guerra nuclear devem ser evitados, de acordo com uma nota conjunta emitida pelas cinco potências nucleares e publicada pelo Kremlin nesta segunda-feira (3).

O texto diz que os cinco países – que são membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) – consideram que sua responsabilidade primária é evitar a guerra entre Estados nucleares e reduzir riscos estratégicos, enquanto buscam trabalhar com todos os países para criar uma atmosfera de segurança.

“Afirmamos que uma guerra nuclear não pode ser vencida e não deve nunca ser disputada”, diz a versão do comunicado em inglês.

“Como o uso de armas nucleares teria consequências vastas, também afirmamos que as armas nucleares – enquanto elas continuarem existindo – devem servir para propósitos defensivos, para impedir agressões e para prevenir a guerra”, acrescenta.

A França também publicou a nota, ressaltando que as cinco potências reiteraram suas determinações pelo controle de armamentos nucleares e pelo desarmamento.

O comunicado do grupo chamado de P5 ocorre num momento em que as relações bilaterais entre Estados Unidos e Rússia passam pela pior fase desde o fim da Guerra Fria, enquanto as relações entre Washington e Pequim também estão em baixa por conta de uma série de discordâncias.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Carlos França falou a deputados em audiência da Comissão de Relações Exteriores

Economia

Cortes representam cerca de 2% da força de trabalho da empresa nos EUA.

Economia

Classificação B1/B2 foi responsável por 93% de todas as solicitações em março.

Mundo

Violações semelhantes foram registradas pela Suécia na semana passada.