Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Governo de Israel diz que não obrigará cidadãos a tomar a vacina; mas estuda a adoção de “passes livres” para retorno à vida normal

O Diretor do Ministério da Saúde de Israel afirmou que as vacinas não serão obrigatórias, mas o Diretor Médico e Diretor de Inovação do Centro, Dr. Eyal Zimlichman, disse ao comitê do Parlamento que “eles se entenderão”.

Embora o Diretor do Ministério da Saúde israelense, Hezy Levy, tenha afirmado ontem (25) aos repórteres que “não forçaremos as pessoas a tomar uma vacina. A lei israelense não permite isso”, falando perante o Comitê Especial do Parlamento para o Coronavírus, Dr. Eyal Zimlichman listou medidas que estão sendo planejadas para “conduzir” a população para a vacinação como forma de “recuperar a liberdade de ir e vir”.

A questão de como induzir à conformidade com as vacinas tem gerado uma preocupação crescente, com comentaristas como o jornalista americano Mike Cernovich escrevendo: “O governo não o obrigará a tomar a vacina. A Amazon sim. As companhias aéreas sim. Os bancos sim. Você não poderá comprar, vender ou negociar sem a vacina”.

Como se confirmasse as palavras de Cernovich, o Dr. Zimlichman disse ao Comitê: “Outra coisa que aparentemente vai entrar em nossas vidas, começando em pequenos números já em janeiro, que é em breve, é a vacina”.

“Se estamos discutindo como criar motivação para os cidadãos israelenses se vacinarem, eu concordo, você não pode forçar a população; não vai funcionar. Podemos conversar sobre isso até amanhã que não vai funcionar.”

“O que é possível é criar motivação. Quem for vacinado receberá automaticamente ‘status verde’. Portanto, você pode vacinar e receber Status Verde para circular livremente em todas as zonas verdes: Eles vão abrir para vocês eventos culturais, eles vão abrir para você os shoppings, hotéis e restaurantes.”

“Você pode escolher não estar vacinando e, se quiser entrar nessas áreas, precisará se submeter a um teste de PCR e, portanto, acredito que as pessoas vão entender por si mesmas que a vacina vai devolvê-las a vida normal e vão se vacinar, sem que os obriguemos.”

“Mas a ideia que estamos lançando é na verdade algo que já está começando agora, e estamos lançando um projeto inicial que estamos testando e estamos prontos para começar, com base no PCR e com base no antígeno, assumindo que será de autoria do Ministério da Saúde, estamos em processo com o Ministério, e claro, a sorologia, e muito rapidamente, já a partir de janeiro adicionaremos as vacinas – quem for vacinado pode entrar nessas áreas verdes, naquela ‘zona de segurança’.

“Supondo que estejamos discutindo um período prolongado em que parte da população será vacinada e parte não, por um ano ainda, vemos essas áreas crescendo de tamanho e as pessoas que são vacinadas recebem o passe para entrar nessas áreas verdes nas cidades do sul ao norte do país. “

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Saúde

Farmacêutica americana terá 30 dias para cumprir solicitação do órgão regulador brasileiro.

Saúde

Boletim indica 12 semanas seguidas de redução no país.

Saúde

Agência destaca que ainda "não há relação causal" entre o caso e a administração da substância.

Política

No país, mais de 3,5 milhões de pessoas entre 12 e 17 anos receberam a substância.