Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Governo interino da Bolívia nomeia embaixador nos EUA pela primeira vez em 11 anos

O governo interino boliviano vai nomear um embaixador nos Estados Unidos pela primeira vez em 11 anos, informou o Ministério das Relações Exteriores do país no Twitter.

Nomear um embaixador para os EUA é uma ruptura com o curso internacional que o ex-presidente Evo Morales tomou durante sua presidência. Durante anos, os laços entre La Paz e Washington foram tensos sob o governo socialista boliviano.

Segundo o ministério, o cargo em Washington vai para Walter Oscar Serrate Cuellar, que anteriormente representava a Bolívia como embaixador e delegado nas Nações Unidas. A nomeação ainda não foi aprovada pelo Congresso boliviano.

Sob o regime socialista de Morales por quase 14 anos, os laços com os Estados Unidos eram tensos. As relações pioraram na época do presidente norte-americano George W. Bush, com a expulsão de embaixadores de ambos os países no final de 2008.

Morales renunciou em 10 de novembro e fugiu para o México, depois de ser acusado de fraude eleitoral.

A presidente interina e conservadora Jeanine Áñez, reconhecida pelos Estados Unidos, não perdeu tempo reescrevendo a política externa da Bolívia.

Ela rompeu laços com a Cuba socialista e a Venezuela do ditador Nicolás Maduro.

A primeira decisão de política externa de Áñez foi reconhecer o líder da oposição da Venezuela, Juán Guaidó, como presidente do país, juntando-se a um grupo de cerca de 50 países, que inclui o Brasil.

A ministra das Relações Exteriores, Karen Longaric, anunciou que diplomatas venezuelanos seriam enviados para casa por “violar normas diplomáticas”.

A Bolívia também demitiu todos os seus embaixadores, exceto os do Peru e do Vaticano.

O anúncio de terça-feira (26) ocorreu quando cerca de 20 ex-membros do governo de Morales fugiram para a embaixada do México em La Paz, disse o Ministério das Relações Exteriores. Cinco deles, incluindo o ex-ministro de Morales Juan Ramon Quintana, são procurados para prisão. Morales e Quintana foram acusados de sedição e terrorismo.

Os promotores federais estão investigando acusações de que Morales, depois de chegar ao México, incentivou seus apoiadores a manter bloqueios nas estradas que causaram severa escassez de alimentos e combustíveis em La Paz.

O ministro do Interior, Arturo Murillo, mostrou uma gravação por telefone para jornalistas na quarta-feira passada, em que é possível ouvir Morales dar instruções a um líder do movimento de oposição na Bolívia.

“Não deixe comida nas cidades, vamos bloquear, realmente cercar [as cidades]”, diz a voz que Murillo atribuiu a Morales.

A Bolívia apresentou um protesto formal ao México por comentários de Morales, dizendo que eles “violavam” seu status de “asilo político”.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Corte suspendeu uma decisão de 1973 que considerava a interrupção da gravidez como direito.

Mundo

'Estou bem', disse o presidente logo após o pequeno acidente.

Saúde

Especialistas dos órgãos FDA e CDC foram favoráveis; Moderna e Pfizer serão utilizadas.

Mundo

Taxa acelerou em maio para 8,6% em um ano e preços de combustíveis influenciaram resultado.