Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Hungria rejeita receber afegãos e Áustria exige que refugiados sejam admitidos pelos “países vizinhos”

Europa segue sob holofotes em atenção a uma resposta à eventual chegada de refugiados.

Heinz Tesarek | WEF

A Hungria rejeitou a recepção dos afegãos após a tomada do país pelo grupo terrorista islâmico Talibã. A Áustria, por sua vez, exige que os refugiados sejam admitidos pelos “países vizinhos” (islâmicos).

O vice-ministro das Relações Exteriores da Hungria, Levente Magyar, confirmou que seu país não abrirá a fronteira para permitir a chegada de afegãos porque o governo presidido por Viktor Orbán “se recusa a fazer o povo húngaro sofrer as consequências de decisões e operações geopolíticas errôneas”.

Assim, a Hungria, que está lançando uma operação de evacuação para remover os húngaros e os afegãos que trabalharam como intérpretes para suas tropas nos últimos 20 anos em Cabul, não cederá aos apelos globalistas para trazer aqueles que fogem para o seu país.

Na mesma linha, o ministro do Interior austríaco, Karl Nehammer, propôs nesta quarta-feira (18) que a maioria dos cidadãos afegãos em fuga devido à ascensão ao poder do Talibã sejam recebidos em centros de deportação localizados em países vizinhos da região.

“O objetivo deve ser manter a maioria das pessoas na região”, disse ele durante uma entrevista coletiva em Viena, segundo a agência de notícias alemã DPA, antes de participar da reunião virtual de ministros do Interior da UE em que abordou este assunto.

Além disso, Nehammer garantiu que a UE deveria coordenar uma melhor proteção de suas fronteiras externas contra uma possível chegada de imigrantes do Afeganistão, ao mesmo tempo enfatizando que a Áustria é o lar da segunda maior comunidade de cidadãos afegãos do bloco em relação ao tamanho global de sua população, com 44 mil pessoas.

Os ministros do Interior dos Estados-Membros da União Europeia se reuniram por videoconferência e, embora o único ponto da agenda oficial seja a gestão dos fluxos migratórios da Bielorrússia para a Lituânia, a situação no Afeganistão obrigou os ministros a abrir um novo ponto de debate no encontro.

Assim, espera-se que o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, e a comissária do Interior, Ylva Johansson, informem os últimos acontecimentos no país asiático, com especial atenção à resposta que a UE deve dar à eventual chegada de refugiados para a Europa.

Com informações, La Gaceta.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Preocupações da entidade foram consideradas 'infundadas' pelos extremistas.

Mundo

Em 7 meses de governo no Afeganistão, líderes impuseram várias restrições ao sexo feminino.

Mundo

Primeiro-ministro da Hungria afirmou que, com relação à pandemia, 'o difícil ainda está por vir'.

Mundo

Líderes da Espanha e da Hungria mantiveram conversas bilaterais.