Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Líder da direita espanhola diz que “tomada do Afeganistão pelo Talibã é mais um triunfo para China”

Santiago Abascal é uma das principais lideranças do partido conservador espanhol VOX.

VOX Congreso | Flickr

O líder do partido de direita espanhol VOX, Santiago Abascal, garantiu que a tomada do Afeganistão pelo Talibã é “uma derrota terrível” para Joe Biden, ONU e União Europeia, “e mais um triunfo para a China”, que se tornará parceira do grupo terrorista islâmico.

Numa série de mensagens através da rede social Twitter, Abascal indicou que a prioridade deve ser repatriar os espanhóis que ainda estão no Afeganistão em meio ao conflito.

“Exigimos do governo uma repatriação que já está demorando muito”, disse o líder do VOX.

Abascal apontou que “os afegãos que fogem do terror do Talibã devem ser bem-vindos nos países islâmicos vizinhos”.

O espanhol conservador fez menção a soldados e policiais que perderam suas vidas na missão no Afeganistão, “e cujo sacrifício foi traído pelas autoridades supranacionais, sempre com medo de ofender o islamismo radical”.

Na opinião dele, a Europa e o Ocidente em geral devem assumir que seu modo de vida pode ser derrotado militarmente, demograficamente e comercialmente. “A menos que comecemos a defendê-lo em vez de degradá-lo como até agora com a imposição simultânea do relativismo e do multiculturalismo”, avaliou.

Recentemente, o grupo parlamentar de Abascal apresentou no Congresso dos Deputados moções para solicitar a presença do ministro das Relações Exteriores da Espanha, UE e Cooperação, José Manuel Albares, e da ministra da Defesa, Margarita Robles, para explicar a situação no Afeganistão.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Saúde

Todas hipóteses sobre surgimento do vírus permanecem à mesa, garantiu o diretor da entidade.

Mundo

No país comunista, o setor automotivo foi o mais afetado pelo fechamento da economia.

Mundo

Preocupações da entidade foram consideradas 'infundadas' pelos extremistas.

Mundo

"Este é um aviso solene contra a recente aliança", disse um porta-voz do exército chinês.