Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Coreia do Norte confirma lançamento de míssil e ONU convoca reunião de emergência

De olho em Pyongyang, Conselho de Segurança da entidade se reúne nesta quarta-feira (20).

KCNA | Divulgação

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) realiza nesta quarta-feira (20) reunião de emergência para discutir o lançamento de mísseis balísticos pela Coreia do Norte.

A notícia de lançamento do último míssil foi dada ontem pela Coreia do Sul e confirmada hoje por Pyongyang.

O regime comunista confirmou que testou, com sucesso, um novo míssil balístico a partir de um submarino.

O veículo estatal KCNA informou que o míssil foi disparado de um submarino, o mesmo utilizado no primeiro teste estratégico de mísseis balísticos, em 2016, e voou cerca de 450 quilômetros (km), atingindo uma altura de 60 km.

Pyongyang tem desenvolvido vários testes nas últimas semanas, lançando armas hipersônicas e de longo alcance. A imprensa estatal afirmou que a arma testada nesta terça-feira estava equipada com “muitas tecnologias avançadas de controle e orientação”, o que pode dificultar o seu monitoramento.

Os mísseis balísticos são considerados mais perigosos e ameaçadores do que os misseis de cruzeiro, uma vez que podem transportar maior peso, têm mais alcance e são mais rápidos. Por essa razão, os testes com mísseis balísticos e com armas nucleares são proibidos pelas Nações Unidas.

Reunião de emergência

O lançamento levou à convocação de uma reunião de emergência no Conselho de Segurança da ONU. A sessão, que será realizada hoje à porta fechada, foi solicitada pelo Reino Unido e pelos Estados Unidos.

Enquanto isso, chefes de inteligência sul-coreanos, japoneses e norte-americanos estão reunidos em Seul para discutir o tema. O enviado da Casa Branca à Coreia do Norte, Sung Kim, apelou novamente para o reinício das conversações bilaterais.

Ainda nesta semana, Sung reiterou a posição do governo de Joe Biden, de que está aberto a encontros com Pyongyang sem pré-condições.

As negociações anteriores entre os EUA e a Coreia do Norte foram suspensas devido a divergências fundamentais sobre desnuclearização, que não permitiram chegar a um acordo.

Os norte-americanos querem que a ditadura comunista abra mão das suas armas nucleares antes de avançar para um alívio das restrições, mas Kim Jong-un recusa essa possibilidade.

Em comunicado recente, o comando do Indo-Pacífico disse estar ciente do último lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte e que trabalharia em estreita colaboração com os aliados regionais para monitorar a situação.

“Os Estados Unidos condenam essas ações e apelam à Coreia do Norte para se abster de novos atos desestabilizadores”, diz o texto. “O compromisso dos EUA com a defesa da Coreia do Sul e do Japão continua de pé”, acrescenta a nota.

Do lado de Pyongyang, por sua vez, o dirigente norte-coreano responsabilizou, na semana passada, os EUA pela tensão na península coreana e afirmou que Washington é a “causa profunda” da instabilidade na região.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Em 2015, durante Acordo de Paris, nações desenvolvidas fizeram compromisso de aporte de US$ 100 bilhões.

Mundo

Foi o segundo lançamento do regime comunista nesta semana.

Política

Cerca de 1,4 bi de crianças e jovens ficaram sem atividades escolares.

Mundo

Projétil foi disparado da costa leste em direção ao mar.