Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Suécia exigirá certificado de vacinação para eventos com mais de 100 pessoas

Novas medidas restritivas estão previstas para entrar em vigor a partir de dezembro.

Ilustração: Conexão Política ©

A Agência Sueca de Saúde Pública anunciou na quarta-feira (17) que exigirá certificado de vacinação para Covid-19 a partir de 1º de dezembro.

A medida valerá para pessoas com 18 anos ou mais que desejam ingressar em eventos internos com mais de 100 pessoas, como apresentações de teatros, cinemas, concertos e eventos esportivos, por exemplo.

“As exigências das vacinas são uma medida que consideramos necessária”, disse Karin Tegmar Wisell, diretora-geral do órgão, em uma entrevista coletiva, apontando para o aumento das taxas de infecção em outras partes da Europa. “Não podemos apenas relaxar e torcer pelo melhor”, acrescentou.

A ministra da Cultura, Amanda Lind, enfatizou que o governo não estava impondo a concessão de vacinas àqueles que realizavam eventos maiores em ambientes fechados, apenas permitindo que dispensassem as restrições se decidissem que era necessário.

“As restrições que de outra forma seriam aplicáveis ​​a uma atividade são amenizadas se o organizador puder garantir que os participantes sejam vacinados”, disse ela, acrescentando que o Estado há muito tempo pondera sobre a exigência de passaporte sanitário.

“Poder usar o certificado de vacinação é algo que o governo vem preparando há muito tempo. Você já me ouviu falar sobre certificados de vacinação como um ‘plano B’. Agora essa situação chegou”, declarou.

Em um comunicado à imprensa na tarde de quarta-feira (17), a Agência Sueca de Saúde Pública informou que os novos impedimentos individuais podem incluir um limite no número máximo de pessoas permitidas por metro quadrado, ou um requisito de distância mínima entre diferentes grupos de pessoas.

Na coletiva de imprensa, a diretora-geral Tegmar Wisell não deu mais detalhes, apenas mencionou que as restrições seriam “semelhantes” àquelas em vigor durante as primeiras ondas de infecção.

As medidas se aplicarão a teatros, concertos, cinemas, boates, eventos esportivos, apresentações de dança, feiras de diversões e parques de diversões, mercados, conferências, demonstrações e cultos religiosos.

As instituições e organizadores de eventos serão dispensados ​​das novas restrições caso exijam que todos os participantes apresentem um certificado de vacinação válido.

Não se espera atualmente que a possibilidade de exigir um passaporte de vacina seja estendida a restaurantes, bares ou estabelecimentos similares, como tem sido o caso em países como França, Dinamarca, Holanda – desde que não haja eventos de dança.

Ao contrário dos passaportes que foram impostos em outros lugares da Europa, a Suécia aceitará apenas a entrada nestes eventos do certificado de vacinação daqueles contados como totalmente vacinados, ou seja, que receberam sua dose final de vacina pelo menos duas semanas antes de comparecer a um evento. A prova de um resultado de teste negativo ou evidência de recuperação para a Covid-19 não será válida para entrar em tais locais.

Por outro lado, a Agência Sueca de Apoio às Comunidades de Fé se manifestou a respeito das novas restrições e disse que a exigência de mostrar um certificado de vacinação para, por exemplo, participar de uma reunião religiosa pode ir contra as leis do país sobre liberdade de culto.

“Um aspecto da liberdade religiosa é que você deve poder participar de uma reunião religiosa sem precisar mostrar qualquer legitimação”, disse Isak Reichel, diretor da agência.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Secretário-geral defende que a decisão cabe aos dois países, e Moscou não pode atrapalhar.

Mundo

Lideranças do país acusam o chinês de ameaçar um jornalista.

Mundo

Bill Gates não esperava que seu experimento de geoengenharia solar fosse cancelado pelas autoridades suecas. O magnata havia embarcado meses atrás em um projeto...

Mundo

Na semana passada, a Suécia anunciou que banirá as empresas chinesas Huawei e ZTE de sua infraestrutura de comunicações. O país nórdico também comunicou...