Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Turquia invade o nordeste da Síria, após as tropas americanas deixarem o país

O presidente turco Erdogan disse hoje (9) que a invasão da Turquia no nordeste da Síria começou. A Turquia iniciou ataques aéreos.

“Há muito pânico entre o povo”, disse a coalizão liderada pelos curdos SDF (Forças Armadas Democráticas da Síria), em resposta à medida. Os curdos controlam a área onde a invasão ocorre.

Recentemente, os EUA retiraram seus soldados da área. A invasão é um desejo de longa data da Turquia.

“A Operação Paz Primavera vai neutralizar a ameaça terrorista contra a Turquia. A operação levará a uma zona segura na área. Refugiados sírios poderão voltar para casa”, escreveu o presidente turco no Twitter.

Erdogan está se referindo aos combatentes sírio-curdos – incluindo o YPG – como a “ameaça terrorista”. O YPG lutou com o apoio dos EUA contra o EI na Síria. Por um longo tempo, os EUA apoiaram o YPG e vigiaram a segurança dos curdos na região. Mas agora que essa luta acabou e o EI foi expulso da região, os EUA não têm motivos para continuar lá.

Curdos
Existem mais de 30 milhões de curdos em todo o mundo. Eles têm sua própria língua e cultura, mas nenhum país. Eles são, portanto, o maior grupo étnico do mundo sem um Estado. Após a queda do Império Otomano, eles se espalharam para vários países, incluindo Turquia, Iraque, Síria e Irã.

Nesses países, eles vivem em desacordo com o governo. Sua língua e cultura são frequentemente reprimidas com intimidação e violência. Os curdos estão, portanto, lutando há décadas por seu próprio Estado autônomo.

Existem vários movimentos de independência, um dos mais conhecidos é o PKK na Turquia. Ele cometeu muitos ataques no passado. A Turquia os vê como terroristas, assim como os EUA e a UE.

Zona segura
A Turquia quer criar uma ‘zona segura’ de 32 Km ao longo da fronteira com o norte da Síria. O país recebeu mais de 3,6 milhões de refugiados sírios e deseja transferir pelo menos 2 milhões deles para esta zona segura. Mas nesta área, que faz fronteira com o sul da Turquia, também há combatentes sírio-curdos.

Posição dos EUA
Nesta semana, o presidente americano Donald Trump ameaçou destruir a economia turca, caso a o país atacasse os curdos no norte da Síria.

“Como já afirmei fortemente antes, e apenas para reiterar, se a Turquia fizer algo que eu, em minha grande e incomparável sabedoria, considere estar fora dos limites, destruirei e extinguirei totalmente a Economia da Turquia (já fiz isso antes!) . Eles devem, com a Europa e outros, vigiar os combatentes e famílias capturados do EI. Os EUA fizeram muito mais do que se poderia esperar, incluindo a captura de 100% do califado do EI. É hora de outros na região, alguns de grande riqueza, protegerem seu próprio território. Os EUA são um nação grande!”, publicou Trump no Twitter.

Volta do Estado Islâmico
O ataque turco aos curdos poderá fortalecer o EI e um novo fluxo de refugiados poderá ser lançado à Europa; e mais combatentes muçulmanos do EI poderiam pegar “uma carona” rumo ao ocidente.

Responsabilidade europeia
O presidente Trump chamou novamente os países europeus às suas responsabilidades. Trump acredita que eles deveriam cuidar dos seus próprios assuntos e julgar os combatentes do EI capturados. Atualmente, estes combatentes são prisioneiros em campos pagos pelos EUA na Síria.

No entanto, a Europa não é sensível a esse argumento. Segundo os países europeus, os combatentes devem ser julgados no país onde os crimes foram cometidos – na Síria.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Idealizada por Trump, 'Truth Social' promete ser alternativa contra as redes sociais já existentes.

Mundo

Júri de Wisconsin reconheceu que Kyle Rittenhouse não fez nada de errado e o considerou inocente.

Mundo

Imprensa internacional repercute declarações do líder republicano.

Mundo

Rasmussen Reports mostra diferença de dois dígitos entre ex-presidente e atual mandatário.