Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

A decisão da Justiça que penhorou contas do PT por dívida eleitoral de R$ 2,6 milhões

O Partido dos Trabalhadores (PT) tornou-se alvo da Justiça novamente.

Segundo uma reportagem do UOL, a legenda não efetuou pagamentos por serviços publicitários prestados durante a campanha eleitoral de 2014.

Devido o calote, o diretório paulista teve R$ 2,6 milhões penhorados.

A ação contra o PT foi movida pela empresa Diorsi Comércio de Brinde, que alegou fornecimento de materiais de divulgação, como bandeiras, para as campanhas petistas, incluindo as disputas pelo governo de São Paulo e da Presidência da República na ocasião.

Em 2014, os nomes que concorreram pelo partido eram: Alexandre Padilha, para o governo paulista, e Dilma Rousseff, que tentava a reeleição ao Palácio do Planalto.

Na ação, os advogados da Diorsi Comércio de Brindes afirmam que o trabalho foi devidamente prestado, mas o pagamento não ocorreu.

Partido confirma

Na Justiça, a equipe do PT reconheceu ter contratado os serviços de publicidade da Diorsi Comércio de Brindes. Assegurou, contudo, que a contratação ocorreu de modo “verbal”.

Dessa forma, segundo a sigla, a dívida eleitoral deveria ser integralmente quitada em parcelas que seriam pagas no decorrer de quatro anos, “conforme a possibilidade financeira e sem acréscimo de juros ou correção monetária”.

Dos R$ 2,6 milhões da dívida, a Justiça encontrou apenas R$ 31,6 mil nas contas administradas pelo diretório do PT no Estado de São Paulo. Por isso, a empresa que sofreu o calote teve o direito garantido de solicitar a penhora dos bens do partido.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Economia

Saldo superou as expectativas projetadas pelas instituições financeiras.

Política

Declaração tem repercutido nas redes sociais.

Política

Confirmação ocorreu durante convenção do partido em São Paulo.

Judiciário

Ministro atendeu pedido do PT e sustenta que a 'insensata' disseminação de fake news compromete processo eleitoral.

----- CLEVER ADS -----