Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Anvisa emite nota oficial e rebate Doria sobre possível aplicação da vacina sem aval

O Conexão Política noticiou nesta última quinta-feira (26) que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que a vacina contra a covid-19 produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan poderá ser introduzida no Brasil mesmo sem a certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo o tucano, basta que o imunizante receba o aval de agências reguladoras internacionais. Doria declarou ainda que a Anvisa está sob suspeita de interferências políticas do presidente Jair Bolsonaro.

Nesta sexta-feira (27), o órgão regulador brasileiro rebateu as declarações do governador paulista. Em nota oficial, a Anvisa disse que há pontos a serem avaliados que não são levados em conta por agências de outros países, como “evidência de que vacina é eficaz e segura em brasileiros; condições técnico-operacionais da fábrica da vacina; prazo de validade e medidas de qualidade para preservação da vacina, considerando as condições climáticas de nosso país; medidas para acompanhamento e tratamento dos efeitos colaterais da vacina ocorridos nos indivíduos vacinados aqui no Brasil”.

“Mesmo após o registro em algum outro país, a avaliação da Anvisa é necessária para verificar pontos que não são avaliados por outras agências internacionais”, completa o texto.

No comunicado, o órgão fez questão de mencionar várias questões relacionadas à vacina chinesa que ainda impedem de ter o aval para ser aplicada no Brasil.

“O Instituto Butantan não entregou o resultado de nenhuma fase de pesquisa clínica com seres humanos para a Anvisa; até o momento, a Anvisa recebeu somente dados pré-clínicos, que são dados anteriores aos testes com seres humanos, ao contrário do que foi afirmado de que dados referentes à fase 3 já haviam sido entregues; em reunião realizada entre a Agência e o Instituto Butantan, nesta quinta-feira (26/11), o Butantan afirmou que o pacote de informações necessárias para a avaliação da vacina ainda não foi concluído pelo Instituto”, ressalta.

Por meio de sua conta no Twitter, João Doria afirmou que houve “confusão” em relação à sua declaração. Para ele, “existe diferença entre validar uma vacina fora do país e autorizar sua aplicação em território nacional”.

“A vacina pode, sim, ser registrada em agência internacional integrante do ICH-International Council for Harmonisation of Technical Requirements for Pharmaceuticals, do qual o Brasil faz parte“, escreveu.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Governo

Declaração foi proferida durante evento na capital do Maranhão.

Mundo

Viajantes que receberam substâncias aprovadas na Europa não precisam mais realizar quarentena.

Política

Requerimento foi apresentado pelo deputado Danilo Balas (PSL).

Política

Tucano afirmou que se candidatos ficarem “fracionados” não haverá alternativa presidencial.