Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

ARTIGO: Entre a hegemonia da covardia, Bolsonaro

Imagem: Reprodução

Há 30 anos que a esquerda vem ditando o vocabulário e pautando as discussões no país. A chegada do PT ao poder apenas aumentou ainda mais a influência da esquerda na sociedade: escolas, universidades, show business, igrejas, mídia… para onde olhamos vemos a influência esquerdista/comunista em nossas vidas, e um senador da república, tido até então como um dos grandes nomes do conservadorismo no Brasil, tem medo de falar a palavra “comunismo” em público.

A opção por Bolsonaro é a necessidade real de se combater a hegemonia comunista em nosso país…

De se combater, ou melhor, de se tentar combater o domínio da esquerda nos mais variados setores do nosso cotidiano, mas principalmente na educação, onde nossas crianças são cobaias e vítimas das mais descaradas doutrinações ideológicas ou, como diz o deputado Rogério Marinho, do crime de assédio ideológico.

Contudo a cooptação de jovens à partidos de esquerda, principalmente defensores do PT e do PSOL, não é o único crime que os canalhas financiados por Lula cometem: há uma verdadeira onda antirreligiosa e anti-família em nossas escolas, em nossas universidades, e uma verdadeira perseguição à liberdade de quem se opõe a isso: os bons educadores.

O Deputado Jair Bolsonaro não é somente um conservador, mas sim o único homem capaz de quebrar a hegemonia da esquerda. Hegemonia criada e mantida pela dobradinha PT/PSDB ou melhor Lula/FHC.

Qualquer pessoa é livre para pensar e agir de forma contrária do que falei, contudo será prisioneira da covardia de contribuir com a hegemonia da esquerda ao apoiar qualquer outro político ou postulante à Presidência da República diferente de Jair Bolsonaro.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Últimas

Governo Federal também deve liberar crédito extra para duas pastas

Últimas

Bolsonaro respondeu carta divulgada por Antonio Barra Torres

Últimas

Desconto maior de 92% da dívida valerá para 548 mil contratos

Governo

Os contratos foram estendidos até 2040