Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Bolsonaro deixou governadores à mercê da desgraça, diz Witzel

À CPI, ex-governador teceu duras críticas contra o presidente da República.

À CPI, ex-governador teceu duras críticas contra o presidente da República.

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou nesta quarta-feira, em depoimento à CPI da Covid no Senado, que o presidente Jair Bolsonaro investiu em narrativas para fragilizar os governadores por adotarem medidas de distanciamento social.

Segundo Witzel, a investigação contra ele foi direcionada. Alegando ter sido vítima de um linchamento moral.

“O presidente deixou os governadores à mercê da desgraça que viria. O único responsável pelos 450 mil mortos que estão aí tem nome, endereço e tem que ser responsabilizado, aqui, no Tribunal Penal Internacional, pelos fatos que praticou”, declarou à CPI.

Ainda durante o depoimento, o ex-governador alegou que houve uma manobra para que ele fosse responsabilizado.

“O governo federal, para poder se livrar das consequências do que viria com a pandemia, criou uma narrativa. Foi uma narrativa pensada, estrategicamente pensada. Os governos estaduais ficariam em situação de fragilidade, porque não teriam condições de comprar os insumos, respiradores e, inclusive, atender os seus pacientes no Sistema Único de Saúde”, explicou.

“Então, o que ficou claro é que a narrativa construída pelo governo federal foi para colocar os governadores numa situação de fragilidade, porque os governadores tomaram as medidas necessárias de isolamento social. E isso tem repercussões econômicas”, completou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Economia

Zona Franca de Manaus é tida como local ideal para a construção da empresa.

Política

Cumprimento entre os dois aconteceu em evento no Tribunal Superior do Trabalho.

Governo

Ministro voltou a defender a privatização de estatais como a Petrobras.

Últimas

Grupo que trabalha no Palácio do Planalto produzirá relatórios sobre o ministro.