Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Bolsonaro diz que é ‘quase impossível’ ter fraude na urna eletrônica

Tom da fala já vem sendo ecoado pelo mandatário há cerca de dois meses.

Alan Santos | PR

Na manhã desta segunda-feira (22), o presidente Jair Bolsonaro admitiu, a apoiadores, que a urna eletrônica é quase 100% segura.

A declaração do presidente é sustentada na Portaria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 578/2021, instituída pelo presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso. A partir disso, o TSE passa a contar com um órgão destinado a “ampliar a transparência e a segurança de todas as etapas de preparação e realização das eleições”.

O intuito da Comissão, conforme o próprio Tribunal, é “aumentar a participação de especialistas, representantes da sociedade civil e instituições públicas na fiscalização e auditoria do processo eleitoral, contribuindo, assim, para resguardar a integridade das eleições”.

À vista disso, o chefe do Executivo entende que, em consequência, fica ‘quase impossível’ de ter fraude na urna eletrônica.

“O ideal é o voto no papel, impresso, mas agora fica quase impossível uma fraude, porque partimos do princípio de que não vai virar cooptação de militar nessa questão”, afirmou o mandatário.

A declaração ocorreu na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília, durante a tradicional conversa com apoiadores.

O presidente reiterou que, por consequência, a força-tarefa de auditoria instituída pelo TSE com dez instituições — entre elas as Forças Armadas — vai testificar a proteção do voto.

“Nós vamos participar da primeira fase, do código-fonte, até a sala secreta. Não vai ter problema”, completou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Governo

Mandatário manifestou preocupação sobre o assunto.

Governo

Declarações ocorreram nesta segunda (22), em Brasília.

Política

Tratativas visam avançar interesses em torno da entrada do mandatário na sigla.

Mundo

Acordos ocorreram durante visita de Bolsonaro ao Golfo Pérsico.