Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Colunista da Folha diz que “chegou a hora de regular as mídias sociais”

O texto está gerando repúdio nas redes sociais.

O colunista da Folha de S. Paulo, Pablo Ortellado, formado em filosofia, e professor universitário, publicou um texto com o seguinte título: “Chegou a hora de regular as mídias sociais”.

Ao defender a medida, Ortellado alega que para “conter desinformação exige enfrentar os paradoxos da colisão de direitos e os riscos da regulação estatal”.

Ele vê com bons olhos o projeto dos deputados Felipe Rigoni e Tabata Amaral, que já mencionamos aqui no Conexão Política.

Para ele, “é um alento ver o projeto de lei de regulação das plataformas de mídia social dos deputados Felipe Rigoni e Tabata Amaral.”

Ainda segundo o colunista, “apesar de imperfeições pontuais, o projeto tem uma abordagem adequada, ampliando a transparência e aperfeiçoando medidas já adotadas.”

E conclui dizendo que já “temos uma lei em discussão que é razoável e que encontrou seu momento. Melhor aperfeiçoá-la e aprová-la antes que coisa pior apareça.”

Repercussão

Bastou o texto de Pablo Ortellado ser publicado para gerar uma forte repercussão nas redes sociais.

Internautas estão ‘viralizando’ o conteúdo, apontando que a Folha e os colunistas defendem medidas autoritárias.

O link foi arquivado por internautas e o texto na íntegra você confere aqui!

Comentários

Conexão Política é um veículo digital inteiramente comprometido com a cobertura e a análise das principais pautas sobre política nacional e internacional | contato@conexaopolitica.com.br

Saúde

Sistema combina três funções importantes: controle motor intuitivo, cinestesia de toque e preensão, a sensação intuitiva de abrir e fechar a mão.

Congresso

Parlamentar disse lamentar o tipo de 'jornalismo' praticado pelo veículo.

Governo

Segundo o governo, trata-se de um ataque ransomware, em que os invasores geralmente pedem dinheiro em troca de dados sequestrados.

Judiciário

Ela é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido.