Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Estudante conservador lança série de vídeos nas redes sociais sobre universidade, política e religião

Com mais de 20 mil seguidores, jovem vai na contramão de outros estudantes da Federal.

Reprodução

A Igreja evangélica continua crescendo sua influência no Brasil, contando com um número de fiéis que representa quase um terço da população do país (31%), de acordo com recente estudo divulgado pelo Instituto Datafolha, em dezembro do ano passado.

Além disso, os cultos evangélicos são atualmente a segunda religião mais popular em solo tupiniquim, atrás apenas do catolicismo, que permanece como como a fé maioritária, totalizando cerca de (50%).

Segundo os números coletados nos últimos anos, a região norte do país, que abrange grande parte da Amazônia, é onde os evangélicos avançam com mais força, ao contar já com 39% da população.

Desta região do país tem surgido nomes de influência em diversos segmentos, especialmente na esfera digital, e que usam das redes sociais para falar de política e religião.

Como consequência disso, é cada vez mais comum ver a comunidade cristã se envolvendo em debates relacionados à sociedade.

O Conexão Política conversou com estudante de Economia Douglas Santos de Holanda Junior, de 20 anos, membro da igreja Ministério Internacional Aliança de Milagres.

Com o crescimento de ferramentas de vídeos nas redes sociais, o jovem tem utilizado esses dispositivos para disseminar ideias e pensamentos. Em uma série de postagens semanais, ele tem abordado temas da vida cristã, questões morais e até mesmo conteúdos voltados ao aborto.

Conservador, ele diz que é cada vez mais raro presenciar discussões sobre vida em sociedade nas igrejas. “Parece que as lideranças têm isolado a vida cristã em quatro paredes, ignorando completamente o indivíduo por completo”, relata.

Outro ponto criticado pelo estudante é a mobilização gerada por aqueles que, segundo ele, têm interesse de explorar esses assuntos somente quando há cargos ou posições políticas em jogo.

Nas redes sociais, Douglas acumula mais de 20 mil seguidores e, de ímpeto, descarta a possibilidade de vir candidato a algum cargo político nos próximos anos. Para ele, a possibilidade de intervir na sociedade vai muito além de estar inserido em um mandato.

“É preciso tirar essa concepção da cabeça. Ser político é apenas uma parte de uma eventual mudança. Enquanto isso, existem diversas camadas da sociedade em que a política não alcança”, explica.

Em setembro deste ano, Douglas iniciou uma sequência de vídeos de ‘conscientização política’ para jovens cristãos, com a primeira postagem realizada no dia 12. Os clipes são postados aos domingos, sempre às 9h da manhã.

Até o momento, mais de 5 mil pessoas já foram alcançadas diretamente pelos conteúdos abordados. No Twitter, o perfil dele é @douglasantosAM. Já no Instagram, é @douglasantoscp.

“Esta série é principalmente para quem precisa conhecer mais, na intenção de se posicionar mais sobre temas ainda considerados tabus para o cristão”, destaca.

“Com o engajamento que eu tenho atualmente, eu sinto que posso contribuir de alguma forma”, acrescenta.

Outro ponto foi crucial, segundo Douglas, para que ele prosseguisse com a ideia de publicar vídeos temáticos nas redes sociais: ausência de posicionamentos no ambiente escolar.

“Muitos amigos e conhecidos costumam pedir minha opinião sobre determinado tema no meio político. Vendo que isso estava se tornando algo cada vez mais comum, eu parei e pensei: ‘não posso reter conhecimento; preciso encontrar uma forma de compartilhar o que sei’. A partir daí, comecei a gravar alguns vídeos”, reiterou o universitário.

“Espero que a nossa geração não cometa os mesmos erros que a geração de nossos pais cometeram”, finalizou Douglas Holanda.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Leo Dias diz ter tido acesso a trecho de contrato publicado por produtora de conteúdo.

Entrevista

Grupo formado no interior de SC visa denunciar violações do Estado à liberdade de culto no país.

Mundo

Articulações do sucessor de Donald Trump continua recebendo gestos de desaprovação.

Governo

Ministro expressou preocupação com o cenário político.