Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Guilherme Fiuza comenta aproximação entre Alckmin e Lula: “Ajuntamento vergonhoso”

Eventual chapa tem gerado repercussão negativa nas redes sociais.

Reprodução | Jovem Pan

O comentarista Guilherme Fiuza, integrante da bancada da Jovem Pan, voltou a falar sobre os passos de Lula em torno de uma eventual candidatura em 2022.

Durante participação no programa Os Pingos nos Is, Fiuza analisou o encontro entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, recém desfiliado do PSDB.

Para o comunicador, o episódio foi um “somatório de oportunismo” e um “ajuntamento vergonhoso”.

Conforme antecipou o Conexão Política na semana passada, os políticos já tinham agendado participação em um jantar na capital paulista.

O evento, promovido pelo grupo de advogados Prerrogativas, ocorreu no último domingo (19) e contou com a participação de 500 convidados.

Apesar do barulho midiático em torno do ocorrido, Fiuza afirmou que uma união entre Lula e Alckmin “não significa nada”.

“O que significa essa junção horrenda? Em termos políticos, não significa nada. Esse ajuntamento não é nada […] É um somatório de oportunismo. É um ajuntamento vergonhoso […] É um trem fantasma. Uma coisa bem horrorosa, bem vergonhosa. Geraldo Alckmin está indo à cena do crime”, explicou.

Fiuza recordou, inclusive, as declarações de Alckmin nas eleições de 2018, cujas falas viralizaram nas redes sociais desde o início do mês.

“Ele disse que o Lula queria voltar à cena do crime, mas ele voltou junto com o Lula. Ele estava em um jantar pela democracia em que a única coisa que não marcou presença foi a democracia”, acrescentou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Últimas

Assunto tem sido um dos mais comentados do Twitter no Brasil.

Política

Na sondagem espontânea, presidente da República lidera.

Política

Vantagem de Lula sobre Bolsonaro é a menor desde julho de 2021.

Últimas

Petista é investigado por eventual vantagem ilícita ao não pagar tributos e desviar recursos de entidade sem fins lucrativos.