Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Lula diz que vai ‘regular’ imprensa e internet, se for eleito

“Eu gostaria que a Rede Globo pedisse desculpas pra mim”, afirmou o ex-presidiário.

José Cruz | Agência Brasil

O ex-presidente e ex-presidiário Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a ser notícia no cenário político brasileiro. Em mais um arroubo autoritário, o petista repetiu que, se eleito em 2022, vai ‘regular’ a imprensa no país. A informação é da coluna Radar.

“Todo dia me perguntam: quando é que você vai fazer uma autocrítica? Tenho que fazer uma autocrítica. Nós não tratamos a reforma da comunicação, a regulação [da mídia], como deveria ser tratada. Aprovamos um programa para que a gente pudesse regulamentar os meios de comunicação. Eu não sei por que cargas d’água não foi colocado no Congresso esse projeto”, disparou.

“Eu gostaria que a Rede Globo pedisse desculpas pra mim”, acrescentou.

Após ter sido considerado “ficha limpa” pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-condenado parece estar se sentindo cada vez mais solto para ser o velho Lula de sempre. De olho nas eleições do ano que vem, ele nega corrupção na Petrobras e resgata um antigo desejo da cúpula petista em ‘regular’ a mídia brasileira.

“Eu vi como a imprensa na Venezuela destruía o Chávez. Nós vamos ter que ter um compromisso público de que nós vamos ter que fazer um novo marco regulatório dos meios de comunicação e espero que os senadores e deputados entendam que isso é necessário para a democracia. Inclusive discutir com a sociedade uma regulação da internet. Para que a internet se transforme numa coisa do bem”, finalizou Lula.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Objetivo é formar 'grande bloco' de esquerda.

Mundo

Regime comunista diz que games devem promover “valores corretos” a serviço do PCC.

Política

Para ex-presidente, prévias no partido tucano são “saudáveis” para a democracia.

Política

Legenda afirma que objetivo é unir forças para impedir reeleição de Jair Bolsonaro.