Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Lula venceria Bolsonaro no 2º turno de 2022 por 55% a 32%, diz Datafolha

Pesquisa tem sido alvo de críticas e dúvidas nas redes sociais.

Lula wip/HTLnU
Fernando Frazão | Agência Brasil

O instituto Datafolha divulgou uma nova pesquisa sobre a eleição presidencial de 2022, veiculada nesta quarta-feira (12).

O levantamento mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 41% das intenções de voto no primeiro turno contra 23% do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em um possível segundo turno, o petista venceria por 55% X 32%.

Ainda segundo o Datafolha, a figura de Bolsonaro representa uma rejeição muito maior se comparada ao nome de Lula.

De acordo com os números, o atual chefe do Executivo tem percentual de rejeição de 54%; Lula tem 36%; Doria 30%; Huck 29%; Moro 26%; Ciro 24%; Luiz Henrique Mandetta 17% e João Amoêdo, do partido Novo, tem 16%.

Erros em 2012

Apesar de os números desta nova sondagem serem favoráveis ao líder petista, os institutos de pesquisa no Brasil, usados para medir a evolução dos candidatos durante a pré-campanha e campanha oficial, não conseguiram cravar os resultados eleitorais em diversos estados e municípios do país nas últimas décadas.

Em 2012, na disputa pela prefeitura de São Paulo, a pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) apontava 26% dos votos válidos para Celso Russomano (PRB), 26% para Fernando Haddad (PT) e 26% para José Serra (PSDB).

Já o Datafolha, por sua vez, indicava 24% para Serra, 23% para Russomano e 20% para Haddad.

Nas urnas, o resultado foi outro: o tucano ficou 30,7%, o petista teve 28,9% e o candidato do PRB teve 21,6% dos votos válidos.

Erros se repetiram em 2014

Em 2014, ano marcado pela forte rejeição ao Partido dos Trabalhadores (PT), as estimativas eleitorais não se comprovaram após a apuração total dos votos. Um dos maiores erros ficou evidenciado na distância entre os candidatos à Presidência do Brasil: Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB).

A última pesquisa eleitoral do Datafolha, que foi divulgada um dia antes do primeiro turno, apresentou Marina Silva (PSB) com 22% e Aécio Neves (PSDB) com 24% das intenções dos votos. Tecnicamente, os dois estavam empatados pela margem de erro.

Os números publicados pelo Ibope no mesmo dia também cravaram resultados semelhantes: o tucano registrava 27% e a ex-senadora com 24%.

Contudo, no dia seguinte, a diferença entre o segundo e o terceiro colocados foi mais amplo do que havia sido projetado. Aécio Neves conquistou 34% enquanto que Marina Silva atingiu apenas 21% dos votos válidos.

Ou seja, houve um erro grotesco de pelo menos 13% entre os dois postulantes da época.

Em 2018 não foi diferente

A corrida presidencial de 2018 não ficou isenta de erros claros e questionáveis.

No primeiro turno do cenário nacional, o então candidato Jair Bolsonaro terminou na liderança com votos totais acima dos números divulgados na véspera (40% e 41%).

Bolsonaro teve 46%, enquanto Haddad, que tinha 25% em ambos, terminou com 28%.

Falhas ainda maiores no 2° turno

Seguindo a mesma linha de erros, o segundo turno de 2018 foi marcado por grandes falhas.

Um mês antes do pleito, com difusão em grandes veículos do país, o Ibope cravou a derrota de Bolsonaro em todos os cenários. O Datafolha também projetou a derrota do militar contra qualquer um dos nomes.

O resultado oficial, porém, elegeu Jair Messias Bolsonaro presidente do Brasil. Ele obteve 55,13% dos votos válidos (57.796.986 devotos absolutos). Fernando Haddad (PT) ficou com 44,87% dos votos válidos (com um total de 47.038.963 milhões de votos de eleitores).

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Fala foi emitida durante ajuntamento cristão no Rio de Janeiro.

Política

Levantamento foi realizado pelo Paraná Pesquisas.

Política

Segundo ele, documento apontava detalhes de financiamento ilegal em favor de políticos do partido.

Judiciário

Tribunal entra em recesso e retoma julgamentos normais em agosto.

----- CLEVER ADS -----