Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Lula fala em ampliação de base para alavancar esquerda nas eleições de outubro

Oposição incisiva contra o conservadorismo é o principal objetivo do lulopetismo em 2022.

Reprodução | Edição | Agência Brasil

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem dito a aliados que já tem um plano sólido para alavancar candidaturas à Câmara e ao Senado.

Alegando que é preciso ter estratégias direcionadas para vencer o pleito, Lula tem evidenciado que não quer somente conquistar o Palácio do Planalto. Ele está preocupado, especialmente, com a governabilidade — seja de uma eventual vitória dele ou de uma possível reeleição de Jair Bolsonaro (PL).

Para o ex-mandatário, é necessário compor um bloco forte e incisivo, visando ampliar a agenda esquerdista no país nas cinco regiões do país — tratando de questões que são cruciais para o lulopetismo. A preocupação não gira somente em resistir ao que chamam de “bolsonarismo”, mas busca emplacar pautas progressistas a partir de 2023, independentemente de quem seja o chefe do Executivo.

Tensão nos bastidores: Mais uma notícia ruim que chegou para Lula

Agenda pelo país: Lula se manifesta sobre a possibilidade de ser vaiado nas ruas

Em seus discursos, o líder petista tem falado em uma tal “lista de parlamentares” que, segundo ele, será introduzida em cada estado brasileiro. Escolhidos a dedo, os nomes da composição devem representar a esquerda em Brasília.

— Quero assumir um compromisso na nossa campanha, nos nossos atos públicos […] eu vou viajar o Brasil para conversar com o povo brasileiro. E nós vamos ter que publicar em cada comício uma lista dos deputados, dos senadores nossos naquele estado e dizer: é nessa gente que a gente tem que votar pra mudar o país — reforçou Lula na última terça-feira (3), em evento de apoio do Solidariedade.

Ao ampliar suas críticas a respeito do atual cenário político, Lula voltou a mirar em Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados.

— Ele já quer tirar o poder do presidente para que o poder fique na Câmara e ele aja como se fosse o imperador do Japão. Ele acha, inclusive, que pode mandar administrando o Orçamento […] mas é o governo quem decide cumprir o Orçamento aprovado pela Câmara, em função da realidade financeira do Estado brasileiro — completou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Encontro acontecerá na capital paulista no dia 3 de julho.

Política

Episódio gerou mal-estar entre os dirigentes partidários presentes no ato.

Política

A menos de quarto meses para o Primeiro Turno das eleições, grupos políticos intensificam análises e estratégias internas.