Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Na Record, Mariana Godoy chama live de Bolsonaro de “bizarra”

Nas redes sociais, jornalista foi “detonada” por apoiadores do chefe do Executivo.

Edu Moraes | Record TV

A jornalista Mariana Godoy, âncora do “Fala Brasil”, da Record TV, classificou como “bizarra” a transmissão ao vivo feita pelo presidente Jair Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas.

A declaração foi proferida na manhã desta sexta-feira (30) durante a exibição da atração televisiva.

“O presidente Jair Bolsonaro insistiu, durante uma live bizarra, que a urna eletrônica facilita fraudes nas eleições. Bolsonaro também criticou o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Roberto Barroso, que é contrário a uma proposta de voto impresso”, afirmou.

Nas redes sociais, o comentário da profissional não foi bem recebido por apoiadores do chefe do Executivo, que a acusaram de impor uma opinião pessoal num momento em que deveria ser imparcial.

“Bizarra é sua atitude como jornalista, proferindo opinião pessoal ao noticiar com parcialidade. A questão do voto auditável com apuração pública é o aprimoramento de um sistema ultrapassado! É constitucional! Sua clara posição e escolha política, Mariana Godoy, não nos interessa”, respondeu a internauta identificada como Claudia.

“Bizarra é essa opinião parcial jogada na nossa cara de forma tão desrespeitosa! Bizarro é o engajamento de um juiz da Suprema Corte contra uma medida de transparência. Respeitem-nos!”, rebateu o usuário Francisco.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Saúde

Sistema combina três funções importantes: controle motor intuitivo, cinestesia de toque e preensão, a sensação intuitiva de abrir e fechar a mão.

Governo

Segundo o governo, trata-se de um ataque ransomware, em que os invasores geralmente pedem dinheiro em troca de dados sequestrados.

Judiciário

Ela é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido.

Judiciário

Ex-deputado foi preso por decisão do ministro Alexandre Moraes, do STF.