Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Saúde

Após China rejeitar pedido, OMS pede ajuda de países para investigar origem da Covid

Jernej Furman | Flickr

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta sexta-feira (23) que todos os países trabalhem juntos para investigar as origens da Covid-19, um dia depois de a China rejeitar planos para mais checagens a laboratórios e mercados em seu território, conforme noticiado pelo Conexão Política.

Os primeiros casos da doença em humanos foram registrados na cidade de Wuhan, região central da China, em dezembro de 2019. O regime comunista, no entanto, rechaçou a ideia de que o vírus possa ter vazado de um laboratório.

Este mês, a OMS propôs que as investigações no país asiático prosseguissem, mas o vice-ministro da Comissão Nacional de Saúde do país, Zeng Yixin, declarou que não aceitaria a proposta como ela foi apresentada.

Ao ser questionado sobre a rejeição da China, o porta-voz da OMS, Tarik Jasarevic, disse durante uma reunião da ONU, em Genebra, que o objetivo não era encontrar culpados. “Isto não é sobre política, não é sobre encontrar culpados.”

“É basicamente um requisito que todos temos de tentar entender: como o patógeno entrou na população humana. Nesse sentido, os países têm a responsabilidade de trabalhar juntos e trabalhar com a OMS em espírito de parceria”, garantiu.

Uma equipe liderada pela OMS passou quatro semanas em Wuhan e nos arredores com cientistas chineses e disse em um relatório conjunto, em março, que o vírus havia provavelmente sido transmitido de morcegos para humanos por meio de outro animal, mas que mais pesquisas eram necessárias.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Saúde

Dados da Fiocruz indicam menor média de óbitos desde dezembro de 2020.

Saúde

Sistema combina três funções importantes: controle motor intuitivo, cinestesia de toque e preensão, a sensação intuitiva de abrir e fechar a mão.

Política

Prefeito já deixou claro que usará o poder do Estado para "criar dificuldades" para quem não quiser tomar a substância.

Saúde

Cerca de 37% completaram a imunização; previsão é que todos os adultos recebam a 1ª dose até 15 de setembro.