Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Saúde

OMS diz que imunidade de vacinas contra Covid dura até 6 meses

Entidade afirma que estimativa foi feita com base em vários estudos realizados anteriormente.

Elma Okic | UN Photo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta quinta-feira (9) que a duração da imunização dada pelas vacinas contra a Covid-19 é de até seis meses.

Segundo a entidade, a estimativa foi feita por meio do cruzamento de vários estudos já realizados.

De acordo com Kate o’bryan, especialista em vacinas da OMS, a proteção de até seis meses não desaparece completamente depois desse período. Mas durante meio ano, o risco de doença grave, internação ou morte diminui drasticamente.

África

Em nota divulgada mais cedo, a organização informou que o número de casos da doença na África quase duplicou em uma semana, mas salientou que “há sinais de esperança”, já que o número de hospitalizações se mantém baixo.

A OMS adiantou que a investigação está sendo intensificada para determinar se a variante Ômicron é responsável pelo número de casos naquele continente. Houve mais 107 mil casos na última semana, quase o dobro dos 55 mil da semana anterior.

“Cinco países representaram 86% dos casos da última semana, com a África Austral registrando a maior subida, de 140%, principalmente motivada pelo aumento na África do Sul”, diz o comunicado.

A OMS destaca, no entanto, que o aumento de infecções não parece ter uma correspondência com o número de hospitalizações, o que permite antever que, apesar de muito contagiosa, a nova cepa não é mais perigosa que as anteriores.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Regime comunista ordenou isolamento a mais de 187 mil pessoas no país.

Últimas

Presidenciável do PDT entrou em isolamento e suspendeu viagens por uma semana.

Política

Tedros Adhanom se pronunciou em uma rede social em meio a discussões nos EUA.

Economia

Questão financeira ocupa o primeiro lugar na lista de temores da população para 2022.