Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Estudo aponta que problemas de saúde mental na Alemanha aumentaram devido ao lockdown

Os resultados de um estudo de coorte* em toda a Alemanha apontam que o lockdown no país mudou o bem-estar dos alemães: o estresse, o medo e os sintomas depressivos aumentaram.

O NAKO é o único estudo de coorte em toda a Alemanha em que os dados atuais sobre a saúde no país imediatamente antes e no início da pandemia do vírus chinês estão disponíveis. No verão de 2019, mais de 205.000 alemães foram examinados. Em maio de 2020, os diretores do estudo perguntaram às pessoas da pesquisa como seu estado de saúde havia mudado durante a crise da pandemia. Os resultados dos primeiros 113.928 participantes foram publicados no German Medical Journal.

A diretora do Instituto de Epidemiologia da Helmholtz Zentrum München, Annette Peters, é a Presidente do Conselho de Administração do NAKO. Peters conduziu um dos estudos mais abrangentes do mundo sobre como a pandemia e as medidas de proteção, como o bloqueio, afetarão a psique e o bem-estar das pessoas.

Segundo a Dra. Peeters, existem vários resultados interessantes. Alguns deles já eram esperados. Por exemplo, os níveis de estresse aumentaram em todas as idades e em ambos os sexos. Em uma escala de 1 a 10, aumentou em média cerca de um ponto, de cerca de 3,5 para 4, para 5, ou quase um terço. O que foi surpreendente, no entanto, foi que a pandemia e o lockdown podem ter efeitos muito diferentes na psique, dependendo da idade do indivíduo.

O que surpreendeu na pesquisa, de acordo com Peeters, é que o estresse aumentou em todas as idades. Mas quando se tratava de ansiedade e sintomas depressivos, basicamente não houve mudança nas pessoas com mais de 60 anos. Isso pode ser devido à experiência de vida deles: em uma idade avançada, você não só adquiriu muita experiência de vida, como também aprendeu a lidar um pouco melhor com situações inusitadas.

Em relação aos jovens, os medos e os sintomas depressivos aumentaram significativamente, diz a pesquisa. Isso se aplica a pessoas entre 20 e 40 anos. A saúde mental se deteriorou, especialmente entre as mulheres mais jovens até o final dos 30 anos; o que pode ser devido à exposição múltipla de mulheres com filhos que trabalham. No confinamento, as crianças estavam de repente em casa e precisavam de tempo e atenção. Ao mesmo tempo, muitas mulheres trabalhadoras repentinamente tiveram que trabalhar em home office, e então havia também o risco de infecção. Nisto, os mais velhos talvez tivessem outra vantagem: não eram tão desafiados quanto as famílias jovens e a classe trabalhadora. Eles poderiam se concentrar mais em se proteger.

A Dra. Peeters afirma que, felizmente, a maioria dos aumentos nos sintomas de ansiedade e depressão permaneceu na faixa pré-clínica. Em outras palavras, muitas pessoas ficaram mais ansiosas e tiveram episódios depressivos leves, mas tudo a um ponto que não requer tratamento. No entanto, a frequência de sintomas graves que requerem tratamento também aumentou: de 6,4% para 8,8%.

“Não podemos dizer se essa tendência se reverterá e se tudo continuará como antes. Talvez a ansiedade e os sintomas depressivos de muitos dos entrevistados [pelo estudo] tenham diminuído novamente. Fizemos nossa pesquisa em maio e nela examinamos os efeitos do lockdown na primavera”, disse Peeters.

Para o estudo de saúde da NAKO investigar os efeitos da covid-19 na situação de vida e saúde mental dos cidadãos em toda a Alemanha, no final de abril, foi enviado questionários à população; 113.000 pessoas preencheram e devolveram os questionários nos primeiros 30 dias. A pesquisa foi a primeira contribuição da NAKO para entender melhor a pandemia e seus efeitos. Também foi questionado se as pessoas já haviam contraído covid-19 e se já haviam feito testes: 344 pessoas responderam que tiveram a doença, 4% dos participantes, e mais de 5.000 já haviam feito o teste para detectar a presença do vírus chinês.

Segundo os pesquisadores, o teste foi acompanhado por uma maior percepção de incerteza e estresse. No entanto, não ficou claro se o teste em si estressou as pessoas ou o medo de estar infectado. Naquela época, o teste era feito principalmente quando alguém estava em situação de risco. Peetes acredita que os testes agora estão amplamente difundidos e, pelo contrário, podem fornecer certeza.

A pesquisa também avaliou o estado geral de saúde das pessoas, ou seja, como alguém se sente fisicamente. E, de fato, 32% dos participantes do estudo avaliaram seu estado de saúde melhor – embora o estresse realmente tenha aumentado. Os pesquisadores suspeitam que isso tenha algo a ver com a desaceleração de vida que o lockdown também trouxe. Algumas pessoas tiveram mais tempo, muitas começaram a se exercitar ou praticar mais esportes e prestaram mais atenção à saúde.

De acordo com a Dra. Peeters, o que se pode concluir com os resultados do estudo é que não existe uma receita específica para manter as pessoas em uma situação de lockdown mentalmente saudáveis, em parte porque as pessoas e suas situações de vida são muito multifacetadas, diferenciadas e complexas.

“Nossa pesquisa inicialmente forneceu percepções importantes: um lockdown tem um impacto na psique das pessoas. Os políticos devem ter isso em mente ao tomar tais decisões. É por isso que deve haver ofertas de ajuda de base ampla nesta fase. Isso inclui ofertas preventivas no setor de saúde, como linhas diretas as quais as pessoas podem recorrer quando se sentem sozinhas:, disse Peeters.

“Nosso estudo também trouxe a certeza de que o estresse na pandemia aumentou para todos. Só perceber isso pode ajudar muitas pessoas, é um certo consolo: Você não está sozinho com suas preocupações e problemas”, conclui Peeters.

* O estudo de coorte é definido como uma forma de pesquisa observacional, longitudinal e analítica que objetiva estabelecer um nexo causal entre os eventos a que o grupo foi exposto e o desfecho da saúde final dessas pessoas. A pesquisa de coorte pode ser prospectiva ou retrospectiva.

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Saúde

Na edição do Setembro Amarelo deste ano, o tema é "agir salva vidas".

Mundo

Declaração foi feita pela chanceler Angela Merkel.

Saúde

Sistema combina três funções importantes: controle motor intuitivo, cinestesia de toque e preensão, a sensação intuitiva de abrir e fechar a mão.

Mundo

Chanceler alemã diz que é preciso preservar conquistas obtidas nos últimos anos.