Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

EUA: Cristão, jogador da NBA se recusa a ficar de joelhos durante hino

Jonathan Isaac, jogador do time de basquete Orlando Magic, da Flórida, chocou a NBA e seus pares na sexta-feira (31), quando se tornou o primeiro e único jogador da NBA a ficar de pé para o hino nacional americano e a não usar uma camiseta do movimento “Black Lives Matter” antes do jogo contra o Brooklyn Nets.

Após a vitória por 128 a 118, Isaac foi bombardeado com perguntas, não sobre a partida, mas sobre sua decisão de não se render ao movimento de extrema esquerda endossado pela liga americana. As respostas foram uma aula não só de respeito e coragem mas de cristianismo.

Isaac, que se tornou ministro evangélico recentemente, não acredita que se ajoelhar e usar uma camiseta andem “de mãos dadas com o apoio a vidas negras”. Ele acredita que “o verdadeiro apoio de todas as vidas é o arrependimento dos pecados que todos cometemos e confiando na graça e no amor de Deus demonstrados na morte de Jesus por cada pessoa”.

“Absolutamente, acredito que vidas negras são importantes”, disse Isaac. “Não acho que ajoelhar e vestir uma camiseta para mim seja a resposta. … Sinto que a resposta para todos os problemas e todas as coisas que acontecem em nossas vidas é Jesus. … Vidas negras são importantes no Evangelho e todas as vidas são importantes no Evangelho. ”

Isaac é cristão e prega na Jump Ministries Global Church em Orlando.

Assista ao momento em que Isaac permaneceu em pé diante do hino.

Após a partida Isaac falou com repórteres.

https://twitter.com/diretodaamerica/status/1289606587502534657?s=21

Comentários

Católico, Conservador, Correspondente Internacional, Observador Político e criador do 'Direto da América'. Atualmente vive no estado da Pensilvânia, Estados Unidos.

Mundo

Presidente dos EUA garantiu que agirá 'rapidamente' se uma atualização da vacina for necessária.

Mundo

Júri de Wisconsin reconheceu que Kyle Rittenhouse não fez nada de errado e o considerou inocente.

Mundo

Casa Branca incluiu 12 empresas do país asiático em lista negra comercial.

Mundo

País comunista se opõe 'firmemente' e afirma que Biden comete 'erro' ao acenar para a ilha.