Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Guedes desmente imprensa e bate martelo: “Nós não vamos aumentar os impostos”

Entrevista coletiva do ministro da economia, Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a desmentir notícias veiculadas na imprensa brasileira sobre o interesse dele na criação de novos impostos.

Nesta quarta-feira (5), enquanto participava de audiência pública promovida pela comissão mista da reforma tributária, Guedes destacou que a posição dele e do governo Federal são de ‘total apoio’ a todo e qualquer processo de unificação mais ampla de impostos sobre o consumo, conforme está previsto nas propostas que já estão em andamento no Congresso Nacional.

Guedes fez questão de frisar que a equipe econômica propôs, somente, a unificação de PIS/Pasep e Cofins, ambos tributos federais.

As propostas do Congresso, por sua vez, incluem também outros tributos federais, além do ICMS, estadual, e do ISS, municipal.

“Temos tudo para trabalharmos juntos. É importante compreender que nós temos que cumprir as normas constitucionais. Eu sou um federalista. Não cabe ao ministro da Fazenda invadir um espaço constitucional que não é dele”, afirmou Guedes.

Guedes afirmou que o governo Federal não pretende aumentar os no país, uma vez que a população já está ‘sobrecarregada’ de tantas tributações.

“Nós não vamos aumentar os impostos. O povo brasileiro já paga impostos demais. [A carga tributária brasileira] é muito acima da média dos países em desenvolvimento e não há uma contrapartida eficiente. Não vamos aumentar a carga tributária. [Nosso] programa é de simplificação e redução de impostos. A carga tributária pode ser a mesma, substituindo impostos”, garantiu Guedes.”

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Últimas

Desconto maior de 92% da dívida valerá para 548 mil contratos

Economia

Valor impressiona e evidencia cenário turbulento vivenciado pelo país há muitos anos.

Governo

Segundo ele, privatizações e Auxílio Brasil podem contrabalancear os números.

Governo

Ministro da Economia disse que técnicos do órgão terão de fazer 'previsão em outro lugar'.