Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Homem é preso após incitar morte de Bolsonaro em rede social

O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de lançamento de programa de qualificação do atendimento de agentes comunitários de saúde, o "Saúde com Agente".

O jornalista João Reginaldo Silva Júnior, de 24 anos, foi preso em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, na madrugada desta última quinta-feira (4), acusado de realizar ameaças de morte, em rede social, contra a vida do presidente Jair Bolsonaro.

Ele foi detido pela Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG). O caso foi remetido à Polícia Federal (PF).

Além dele, outras três pessoas estão sendo investigadas pelo mesmo motivo.

Através da plataforma Twitter, o indivíduo disse na quarta-feira (3): “Gente, Bolsonaro em Udia [Uberlândia] amanhã… Alguém fecha virar herói nacional?”.

De acordo com o serviço de inteligência da PM, o tuíte foi classificado como “propaganda e incitação à prática de crimes contra a integridade física e a vida” do chefe do Executivo.

Ao prestar depoimento, o homem afirmou que o post não tinha conotação ameaçadora, apenas humorística. Ele negou ser integrante de qualquer movimento político ou estudantil.

Após o presidente deixar a região, João Júnior teve a liberdade concedida. O alvará de soltura foi expedido pela Justiça e cumprido por volta de 18h30min.

Posteriormente, o jornalista “trancou” suas contas nas redes sociais, ou seja, bloqueou todo tipo de acesso aos seus perfis. No entanto, a publicação contra Bolsonaro que motivou a prisão em flagrante segue ativa na rede de microblogs.

Imagem: Reprodução/Twitter

Comentários

Últimas

Dados são de estudo feito pelo Instituto de Segurança Pública entre 2016 e 2020.

Judiciário

Ministro afirma que detenção foi para evitar "agressões e ameaças contra a democracia" no 7 de setembro.

Judiciário

STJ aceitou denúncia contra Wilson Lima e mais 13 pessoas.

Judiciário

Dono da JBS chamou o ex-presidente de ‘chefe de organização criminosa’.