Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

João Amoêdo sobre apoiadores de Bolsonaro ligados ao Novo: ‘Estão no partido errado’

Rejeitado pela ala conservadora, Novo tem flertado com posições políticas questionáveis.

O candidato do Partido Novo, João Amoêdo, é o primeiro da série de entrevistas que a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) fará com os candidatos à Presidência da República.

João Amoêdo, um dos fundadores do partido Novo, criticou nesta sexta-feira (23) parlamentares da legenda que ainda não se posicionam a favor de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro.

Por meio das redes sociais, Amoêdo afirmou que a sigla não foi criada para estabelecer ‘cálculo eleitoral’, mas para ‘fazer o certo’.

Na visão dele, não há mais mais condições de Bolsonaro permanecer ocupando o cargo de chefe do Executivo.

No Twitter, ele escreveu:

“O NOVO foi criado para fazer as coisas certas, sem cálculo eleitoral. É inaceitável que, com todos os absurdos de Bolsonaro e o NOVO ter se colocado a favor do impeachment, ainda existam mandatários que não endossam esse posicionamento.”

E acrescentou:

“Na minha avaliação estão no partido errado.”

Trajetória nem tão nova

Fundado há cerca de 10 anos, o Partido Novo buscou emplacar uma imagem de partido conservador no pleito de 2018, ainda que não declarasse essa posição abertamente.

Cientes da força ‘bolsonarista’ naquele ano, candidatos da sigla traçaram uma ampla estratégia para puxar votos do eleitorado de Jair Bolsonaro, candidato à presidência da República pelo PSL.

Após o tão disputado pleito, o Novo passou a se opor a diversas pautas do governo federal, abandonando definitivamente a base governista.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Governo

Anunciou ocorreu nesta quinta, 16, durante a live semanal do presidente.

Política

Christian Lohbauer critica comportamento da direção e insistência na defesa do impeachment de Bolsonaro.

Governo

MP dificultava que redes sociais retirassem postagens do ar.

Congresso

Presidente da Câmara afirma que iniciativa foge ao escopo da CPI.