Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Médico morre após receber vacina da Pfizer nos EUA; caso segue em investigação

Em comunicado, a farmacêutica disse não acreditar que o óbito tenha qualquer conexão direta com o imunizante

Médicos legistas de Miami estão investigando a morte de um médico semanas depois que ele recebeu a vacina contra covid-19 da Pfizer.

Darren Caprara, diretor de operações do Departamento de Legistas, disse que sua equipe está trabalhando com o Departamento de Saúde da Flórida e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos para investigar a morte do obstetra Dr. Gregory Michael.

“Sua morte não está definitivamente ligada à vacina, mas isso está entre as possibilidades que estão sendo exploradas”, acrescentou Caprara.

De acordo com o site do Dr. Gregory Michael, de 56 anos, ele trabalhou como obstetra e ginecologista no ‘Mount Sinai Medical Center’, em Miami Beach, nos últimos 15 anos da carreira.

Caprara disse que Michael recebeu uma vacina em 18 de dezembro e morreu “no final de 3 de janeiro para o dia 4”.

Uma autópsia foi realizada na terça-feira (5), disse Caprara, com a causa da morte pendente da conclusão dos estudos pelo legista e agências parceiras.

Ele não revelou qual vacina Michael recebeu; no entanto, apenas a Pfizer foi oferecida fora dos testes clínicos na semana em que Michael foi vacinado.

Cautela

“A Pfizer e a BioNTech estão cientes da morte de um profissional de saúde dezesseis dias após receber a primeira dose”, disse a Pfizer em um comunicado.

“É um caso clínico altamente incomum de trombocitopenia grave, uma condição que diminui a capacidade do corpo de coagular o sangue e parar o sangramento interno”, acrescentou.

“Estamos investigando ativamente este caso, mas não acreditamos no momento que haja qualquer conexão direta com a vacina”, disse a empresa em nota.

Funcionários do Centers for Disease Control and Prevention (CDC) disseram a repórteres na quarta-feira (6) que não houve nenhuma reação preocupante às vacinas contra a covid-19 além de 29 casos de reações alérgicas graves – ou apenas 11,1 casos de anafilaxia por 1 milhão de doses administradas.

De acordo com o CDC, mais de 5,3 milhões de pessoas receberam sua primeira dose de uma vacina contra a covid-19 nos Estados Unidos.

“Nossos pensamentos imediatos estão com a família enlutada”, acrescentou Pfizer.

Repercussão

A esposa do Dr. Gregory Michael, Heidi Neckelmann, postou na quarta-feira (6), em seu Facebook, uma mensagem após a morte do marido.

“O amor da minha vida, meu marido Gregory Michael MD, um obstetra que trabalhou no Centro Médico Mount Sinai, em Miami Beach, morreu anteontem devido a uma forte reação à vacina contra a Covid.”

“Ele era uma pessoa de 56 anos muito saudável, amado por todos na comunidade, ajudou a nascer centenas de bebês saudáveis e trabalhou de forma incansável na pandemia.”

“Ele foi vacinado com a vacina Pfizer no MSMC em 18 de dezembro e 3 dias depois viu um forte conjunto de petéquias nos pés e mãos, o que o fez chamar atenção no pronto socorro do MSMC. O hemograma que foi feito à chegada mostrou que a sua contagem de plaquetas era 0 (uma contagem normal de plaquetas varia de 150.000 a 450.000 plaquetas por microlitro de sangue). Ele foi internado na UTI com diagnóstico de ITP aguda [trombocitopenia grave] causada por uma reação à vacina contra a covid. Uma equipa de médicos especialistas tentou durante 2 semanas aumentar a sua contagem de plaquetas sem sucesso. Especialistas de todo o país estiveram envolvidos nos cuidados dele. Independentemente do que fizeram, a contagem de plaquetas recusou-se a subir. Ele estava consciente e forte durante todo o processo, mas 2 dias antes de uma cirurgia de última instância, teve um AVC hemorrágico causado pela falta de plaquetas, que lhe tirou a vida em questão de minutos.”

“Ele era um defensor da vacina, por isso é que ele próprio a tomou.”

“Acredito que as pessoas devem estar cientes que efeitos colaterais podem acontecer, que não é bom para todos, e neste caso, destruiu uma vida linda, uma família perfeita, e afetou tantas pessoas na comunidade.”

“Não deixes que a sua morte seja em vão, por favor, salve mais vidas fazendo destas informações, notícia.”

Família

Dr. Gregory Michael e Heidi Neckelmann eram casados há 21 anos e se relacionavam há 28 anos.

Heidi disse que a filha de 15 anos do casal está lutando para assimilar que seu pai amoroso se foi.

“Ambos eram músicos. Eles tocavam violão juntos. Eles tiveram a maior conexão de todos os tempos”, disse Heidi ao Daily Mail.

“Não vou deixar minha filha ou qualquer outra pessoa da minha família tomar a vacina agora, não até sabermos que eles eliminaram todos os erros e garantirem que é segura. Não quero que pessoas adoeçam de Covid e não sou contra vacinas, mas precisamos desacelerar as coisas”, acrescentou.

“Eles estão dando esta vacina para algumas das pessoas mais importantes, os médicos e enfermeiras que cuidam de nós, bem como os idosos, os mais vulneráveis. Como médico, meu marido não gostaria que ninguém tomasse algo que não fosse seguro”, concluiu Heidi.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Economia

Aumento está relacionado à expansão do comércio online, diz associação.

Política

Foram apreendidos quase R$ 2 milhões na residência de Adriana Belém

Política

Prazo também vale para pagamento da primeira cota

Política

Operação Calígula cumpre 29 mandados de prisão

----- CLEVER ADS -----