Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Ministros russos vão à Turquia para negociações sobre a Líbia

Rússia e Turquia

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, estarão na Turquia, neste domingo (14), para discussões sobre a situação na Líbia.

Ankara apoia o Governo do Acordo Nacional (GAN ou ‘GNA’ em Inglês), de Fayez al Serraj, que é reconhecido internacionalmente. Moscou, por outro lado, apoia o Exército Nacional Líbio (ENL, ou LNA em Inglês), de Khalifa Haftar. Os dois lados estão em guerra civil, se engajando em uma nova rodada de negociações de cessar-fogo.

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia confirmou que “durante a visita, as delegações devem ter consultas e discutir a coordenação sobre questões regionais”. Espera-se que oficiais militares e de segurança se juntem à delegação russa.

A TRT Haber, emissora estatal turca, sugeriu que a Síria também estará na agenda.

As duas nações apoiam lados diferentes na guerra civil síria. A Rússia apoia o governo de Bashar al-Assad e a Turquia apoia as forças da oposição.

Guerra Civil da Líbia

Oito anos após a intervenção, liderada pela Otan, que resultou na morte do ditador Muammar Kadafi, a Líbia mergulhou numa guerra civil, envolvendo grupos armados, governos rivais e disputas por poder e petróleo.

Em 2014, eleições parlamentares contestadas levaram à formação de dois governos rivais: um na capital ocidental, Trípoli, e outro no leste do país. E em maio do mesmo ano, a Guerra Civil da Líbia estourou.

Confrontos em Trípoli entre facções islamistas e forças leais ao comandante militar Khalifa Haftar levaram a recém-eleita Câmara dos Representantes a se mudar para a cidade de Tobruk, na costa do Mediterrâneo e perto da fronteira egípcia, no leste do país. O governo oriental foi apoiado pelo autointitulado Exército Nacional Líbio, de Haftar, que liderou a luta contra milícias islamistas.

No início de 2016, o Governo do Acordo Nacional, um governo reconhecido internacionalmente,  foi instalado em Trípoli. Mas desde então vem enfrentando dificuldades para controlar o país e uma série de milícias ao redor de Trípoli.

O resultado foi a formação de estruturas de segurança concorrentes nos governos no leste e no oeste. Os dois governos rivais também estabeleceram bancos centrais paralelos e corporações petrolíferas nacionais concorrentes. Partes da região sudoeste de Fezzan são mantidas por ambas as forças.

Preocupados com o papel da organização islâmica radical Irmandade Muçulmana em Trípoli, o Egito e os Emirados Árabes Unidos apoiaram o governo no leste e deram apoio militar ao Exército Nacional Líbio. A Rússia, como já mencionado, também apoia Haftar.

A União Europeia, os Estados Unidos e a Turquia declararam apoio ao governo baseado em Trípoli, no oeste. No entanto, rivalidades entre a França e o antigo colonizador da Líbia, a Itália, minaram uma posição europeia comum.

Embora Itália e França tenham apoiado o Governo do Acordo Nacional, ambos os países cortejaram Haftar, devido ao seu papel de liderança na luta contra militantes islamistas. A França forneceu a Haftar apoio militar e de inteligência.

A Itália preocupa-se com a desordem que transformou a Líbia num trampolim para migrantes que chegam à Europa. A Itália apoiou o Governo do Acordo Nacional e trabalhou junto a milícias para conter fluxos migratórios da Líbia para o continente europeu.

Cessar-fogo e recomeço de combates

Há três meses, um cessar-fogo intermediado pelas duas partes interrompeu os combates em Idlib, mas, nesta semana, os combates recomeçaram.

As autoridades egípcias expressaram preocupação com o conflito que atravessa sua fronteira. E a Tunísia já enviou soldados para proteger sua fronteira com a Líbia.

O presidente da Argélia, Abdelmadjid Tebboune, disse a repórteres nesta semana: “A solução na Líbia é vista em nossa contribuição com o Egito e a Tunísia para chegar a um acordo sobre a crise”.

O presidente dos EUA, Donald Trump, pediu recentemente que o líder russo, Vladimir Putin, seja convidado a participar da próxima cúpula do G7. A Rússia havia sido suspensa do G8 na Ucrânia, devido à invasão e anexação da Crimeia.

Acredita-se que o convite de Trump colabore para as discussões sobre o Irã, Síria e Coreia do Norte.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, também teria sido a favor da mudança. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe se manteve neutro; no entanto outros líderes do grupo se opuseram.

 

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Agência reguladora de imprensa aplicou pena de R$ 29 mil ao veículo.

Mundo

Ministério das Relações Exteriores russo pede aos EUA que reconheçam 'nova realidade geopolítica'.

Mundo

Acusação consta em relatório anual do Departamento de Estado americano.

Mundo

Mandatário diz que combustível chegará ao território brasileiro “mais barato”.

----- CLEVER ADS -----