Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Multidão vai às ruas de Copacabana para defender medidas do governo Bolsonaro

Ato aconteceu ao longo da Orla de Copacabana, neste domingo.

Neste domingo, 26, manifestantes do Rio de Janeiro fizeram a concentração no Posto 5 da orla de Copacabana e se espalharam até o Posto 4.

Durante o ato, que começou às 10h, as únicas faixas liberadas para o trânsito também foram ocupadas.

Aos domingos, as faixas junto à praia são interditadas para área de lazer e as do canto, perto dos prédios, ficam liberadas aos motoristas.

Os participantes começaram a chegar ao local por volta das 9h.

Muitos deles vestiam roupas com as cores verde e amarela e carregavam faixas.

Outros levavam bandeiras do Brasil, que também estavam expostas nas fachadas de prédios.

Ao longo das pistas, ambulantes vendiam produtos como cornetas, apitos e bandeiras, cujos valores variavam de R$ 5 a R$ 30.

Convocado pelas redes sociais, às manifestações foram conduzidas pelo Movimento Brasil Conservador.

Por meio do Twitter, Davy Albuquerque, um dos fundadores do MBC, destacou a força das ruas.

“Quem disse que não lotaríamos Copacabana? A população do Rio de Janeiro está mostrando a sua cidadania, força e coragem nas ruas.”

E completou:

“Estou emocionando de ter feito parte dessa grande organização com meus amigos do MBC-Rio. O nosso compromisso é com a população!”


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público »APOIAR

Comentários

Conexão Política é um veículo digital inteiramente comprometido com a cobertura e a análise das principais pautas sobre política nacional e internacional | contato@conexaopolitica.com.br

Economia

Tendência é que os percentuais de ocupação aumentem cada vez mais.

Últimas

Veículo tinha a inscrição da Corregedoria-Geral de Polícia Civil.

Saúde

Durante o ápice da crise sanitária, unidade chegou a ter 400 leitos para a doença.

Política

Ativistas e lideranças partidárias pretendiam reunir mais de 100 mil de pessoas.