Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Obesidade está associada a casos mais graves de Covid-19 e necessidade de ventilação mecânica, diz estudo francês

Os pesquisadores alertam que pacientes com obesidade devem evitar qualquer contaminação por COVID-19, aplicando todas as medidas de prevenção durante a atual pandemia.

obesidade

Um estudo francês contatou que a obesidade está associada a os casos mais graves de Covid-19 e a necessidade de ventilação mecânica. O estudo foi publicado pelo Instituto Lille Pasteur, em trabalho conjunto com a Universidade de Lille, o Departamento de Terapia Intensiva e o Centro Integrado de Obesidade da cidade francesa de Lille.

Segundo o estudo, a alta prevalência de obesidade no coronavírus-2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS ‐ CoV ‐ 2) requer ventilação mecânica invasiva.

O estudo diz que a relação entre obesidade e síndrome respiratória aguda grave coronavírus-2 (SARS-CoV-2) não foi totalmente documentada. Mas neste estudo de coorte retrospectivo, eles analisaram a relação entre as características clínicas, incluindo o índice de massa corporal (IMC) e a necessidade de ventilação mecânica invasiva (VMI) em 124 pacientes consecutivos internados em terapia intensiva por SARS-CoV-2, em um único centro francês.

Resultados

O estudo mostrou alta frequência de obesidade entre pacientes internados em terapia intensiva por SARS-CoV-2. A gravidade da doença aumentou com o IMC.

De acordo com os pesquisadores, a obesidade é um fator de risco para a gravidade da SARS-CoV-2, exigindo maior atenção às medidas preventivas em pacientes suscetíveis.

Os resultados mostraram que a obesidade (IMC> 30 kg/m2) e obesidade grave (IMC> 35 kg/m2) estiveram presentes em 47,6% e 28,2% dos casos, respectivamente.

No geral, 85 pacientes (68,6%) necessitaram de VMI (ventilação mecânica invasiva).

A proporção de pacientes que necessitaram de VMI aumentou com as categorias de IMC (p <0,01, teste do qui-quadrado para tendência), e foi maior nos pacientes com IMC >35 kg/m2 (85,7%).

Na regressão logística multivariada, a necessidade de VMI foi significativamente associada ao sexo masculino (p <0,05) e IMC (p <0,05), independentemente da idade, diabetes e hipertensão. O odds ratio para IMV em pacientes com IMC> 35 kg / m2 versus pacientes com IMC <25 kg / m2 foi de 7,36 (1,63-33,14; p = 0,02).

Pacientes do SARS-Cov-2 que necessitaram de VMI (%) durante tempo de internação em UTI, de acordo com o ICM (em Inglês: BMI).

Conclusões

O estudo concluiu que no caso do coronavírus chinês, a obesidade foi inesperadamente frequente em uma coorte de pacientes internados em terapia intensiva por SARSCoV-2. Essa gravidade da doença foi associada ao aumento das categorias de índice de massa corporal, sendo máxima nos pacientes com IMC ≥35 kg/m2.

Também foi possível concluir que a necessidade de ventilação mecânica invasiva foi associada à obesidade grave e foi independente da idade, sexo, diabetes e hipertensão.

Por isso, os pesquisadores alertam que pacientes com obesidade devem evitar qualquer contaminação por COVID-19, aplicando todas as medidas de prevenção durante a atual pandemia.

O estudo aconselha que pacientes com obesidade severa devem ser monitorados mais de perto e sugere que futuros estudos devem explorar mais os mecanismos por trás da associação da SARS-CoV-2 à obesidade.

 

 

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Política

Nova flexibilização será iniciada no dia 11 de dezembro, informou o Palácio dos Bandeirantes.

Saúde

Sobre o Brasil, ela se mostrou receosa com as discussões em curso acerca da realização do Carnaval.

Mundo

Primeiro-ministro da Hungria afirmou que, com relação à pandemia, 'o difícil ainda está por vir'.

Saúde

Agência da UE também iniciou análise de um comprimido da Pfizer.