Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Papa Francisco cita obra de ficção para argumentar que o cristianismo é tão violento quanto o islã

O papa Francisco foi extremamente criticado após citar uma obra de ficção para argumentar que o cristianismo é tão violento quanto o islamismo.

A Jihad Watch informou que Francisco citou ‘The Song of Roland’, um poema fictício do século XI, para provar que os cristãos tentaram converter os muçulmanos pela espada, assim como os muçulmanos fazem aos cristãos há séculos.

“Uma cena de The Song of Roland vem a mim como um símbolo, quando os cristãos derrotam os muçulmanos e os alinham em frente à fonte batismal, com um deles segurando uma espada. E os muçulmanos tiveram que escolher entre o batismo ou a espada. Foi isso que nós cristãos fizemos”, declarou o papa recentemente a um grupo de diálogo inter-religioso argentino.

O que Francisco não mencionou é que o Islã pede explicitamente agressão, e seus seguidores são chamados por textos religiosos para conquistar o mundo e forçar a fé muçulmana aos incrédulos. Qualquer um que optar por deixar a fé é morto, e esse foi o caso desde o início do Islã.

Em nenhum lugar do Novo Testamento ou nas palavras de Jesus Cristo se encontra esse mandamento de conquista. Mas essa lei islâmica tem sido seguida nos últimos 1.400 anos.

A Jihad Watch observa que os cristãos também se defenderam dos saqueadores islâmicos expansionistas a partir do século VII, quando este último se espalhou pelo Oriente Médio e pela África, matando muito mais cristãos do que cristãos que mataram muçulmanos em todas as Cruzadas.

E a matança de cristãos continua. Os cristãos estão sendo alvejados e mortos até hoje por muçulmanos no Oriente Médio e na África. A maior parte do mundo ignora esse genocídio, incluindo Francisco, que insiste em dizer que “não é justo identificar o Islã com violência“.

Defesa do islã
Este é apenas o exemplo mais recente do padrão contínuo do papa em defender o Islã. Ele avançou reformas teológicas nas escolas católicas para promover a paz com o Islã. Ele ignorou as violações dos direitos humanos contra cristãos e outros pelo Islã.

Francisco disse que “o cristianismo e o islamismo têm mais em comum do que as pessoas pensam … e as duas religiões defendem valores comuns que são necessários para o futuro da civilização”.

Na semana passada, Francisco cumprimentou calorosamente o grão-xeque de al-Azhar, Ahmed el-Tayeb, um estudioso e clérigo islâmico que a Jihad Watch diz que aprovou ataques suicidas contra judeus e pediu que muçulmanos convertidos ao cristianismo sejam mortos.

Robert Spencer, diretor da Jihad Watch e membro do Shillman, no David Horowitz Freedom Center, escreveu um artigo publicado na semana passada no site da PJ Media sobre o uso de Francisco da peça fictícia da literatura para provar que o cristianismo é tão violento quanto o islamismo:

“Francisco, por sua vez, proclamou que ‘o Islã autêntico e o entendimento adequado do Corão rejeitam toda forma de violência’, fazendo sua parte para garantir que o maior número possível de cristãos permaneça ignorante e complacente com a ameaça da jihad que seu precioso ‘diálogo’ não faz nada para atenuar”, argumentou Spencer.

Ele conclui com um versículo da Bíblia: “Deixe-os; eles são guias cegos. E se um cego lidera um cego, ambos caem em uma cova”. (Mateus 15:14)

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Líder da Igreja Católica diz que é preciso mais transparência para manter a confiança dos fiéis.

Mundo

Pontífice defendeu 'solução diferente' para equilibrar poder mundial.

Mundo

Ele falou após a oração do Angelus, na Praça de São Pedro

Mundo

Pontífice destacou que não se pode fechar os olhos para conflitos que "parecem nunca ter fim".