Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Perfil ‘Isentões’ é suspenso do Twitter após citar Edgar Piccoli em publicações

A discussão sobre censura voltou ser assunto na plataforma.

Na manhã desta quarta-feira (31) a hashtag #DireitaCensurada alcançou o topo dos assuntos mais comentados do Twitter.

O ‘tuitaço’ aconteceu após o Twitter suspender o perfil ‘Isentões’ — conhecido por divulgar e explanar conteúdos públicos.

Ontem (30) o perfil publicou uma ‘THREAD’ no qual mencionava o jornalista Edgar Piccoli. Após a grande repercussão do matéria, a página simplesmente desapareceu da rede social.

Caso semelhante

Em junho, a conta do Conexão Política no Twitter perdeu inexplicavelmente 150 mil seguidores — de 233 mil para 83 mil — ou seja, uma queda brusca  aproximadamente 63% dos seguidores.

Desde o dia 27/05 denunciamos a censura que estamos sofrendo nessa plataforma e a limitação que tivemos no número de seguidores e alcance de nossas publicações. Buscamos contato com o Twitter Brasil, mas não tivemos nenhum retorno.

O questionamento que fica é: quando será que as funções da conta do Isentões serão liberadas novamente para que qualquer pessoa possa nos acompanhar sem problemas?

Sugerimos aos nossos leitores que nos sigam nas outras redes sociais e ativem as notificações (o sininho) em nosso site, pois essa ferramenta permite que todos recebam nossas publicações sem nenhuma interferência ou filtro.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Comentários

Conexão Política é um veículo digital inteiramente comprometido com a cobertura e a análise das principais pautas sobre política nacional e internacional | contato@conexaopolitica.com.br

Mundo

Regime comunista diz que games devem promover “valores corretos” a serviço do PCC.

Mundo

Internautas fazem piada sobre o ocorrido.

Mundo

País comunista quer reforçar a supervisão do Estado a sites de notícias e plataformas online.

Judiciário

Rede sociais se manifestaram no inquérito sigiloso que apura supostos atos antidemocráticos.