Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Presidente da CBMT-BT, Munil Adriano ironiza assalto a filho de Lula: “100 anos de perdão”

Assunto tem sido um dos mais comentados do Twitter no Brasil.

Arquivo | Divulgação

O assalto sofrido pelo filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está repercutindo nas redes sociais.

Conforme registramos, o episódio aconteceu nesta terça-feira (17), em um bairro da Zona Sul de São Paulo.

Segundo informações do portal R7, o filho do ex-mandatário estava no trânsito quando foi abordado por quatro elementos, dois deles batendo com um simulacro de arma de fogo no vidro do carro.

Após a ação, quatro menores de idade foram detidos e encaminhados para o 27º Distrito no bairro de Moema, em São Paulo.

Para mais informações, leia aqui.

Repercussão

Nas redes sociais, usuários comuns e personalidades estão reagindo ao noticiário. Um dos nomes a comentar o episódio foi o presidente da Confederação Brasileira de MuayThai/Boxe Tailandês (CBMT-BT) e promotor do Fight Pro MMA, Munil Adriano. Por meio do Instagram, ele ironizou a situação: “aliás… ganharam 100 anos de perdão”, disse o esportista.

Além dele, outras personalidades comentaram sobre o tema, como o ator Thiago Glagliasso, e a economista Renata Barreto.

“Todo meu repúdio a qualquer apologia à violência ou frases como ‘ah foi? Bem feito’. Massssss… algumas curiosidades: o Lula ficou do lado do filho ou do menor infrator?”, questionou Glagliasso.

Barreto, por sua vez, satirizou os posicionamentos controversos defendidos pelos adeptos do espectro político de esquerda.

“[…] Eu achei que nesses casos era pra dar um abraço, não chamar a polícia, afinal eles são “vítimas da sociedade”. Tem que socializar o celular […]”, farpeou ela.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Encontro acontecerá na capital paulista no dia 3 de julho.

Política

Episódio gerou mal-estar entre os dirigentes partidários presentes no ato.

Política

A menos de quarto meses para o Primeiro Turno das eleições, grupos políticos intensificam análises e estratégias internas.