Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Tensão entre Moscou e Pequim: China reivindica a maior cidade portuária da Rússia no Pacífico como parte de seu território

A mentalidade expansionista do Partido Comunista Chinês não tem limites, desrespeitando até mesmo “aliados” como a Rússia. Além de invadir limites territoriais em Ladaque, na Índia, e reivindicar territórios marítimos e ilhas dentro das águas territoriais e Zonas Econômicas Exclusivas (ZEE) de outros países no Mar da China Meridional e ilhas japonesas no Mar da China Oriental, agora, a China reivindicou a cidade portuária de Vladivostoque.

Vladivostoque é a maior cidade portuária da Rússia no oceano Pacífico, e o centro administrativo do Krai de Primorsky, pertencente ao Distrito Federal do Extremo Oriente. Situa-se na entrada da Baía do Chifre de Ouro, no fim da península Muravyov-Amursky e às margens do mar do Japão, a uma curta distância da fronteira da Rússia com a China e a Coreia do Norte. É o porto onde está estacionada a Frota Russa do Pacífico.

As novas reivindicações da China do território russo ocorreram logo após a Embaixada da Rússia publicar na rede social chinesa Weibo um vídeo para comemorar o 160º aniversário de Vladivostoque.

A China se opôs instantaneamente ao vídeo postado pela Embaixada da Rússia. Diplomatas chineses e jornalistas de emissoras estatais chinesas logo se manifestaram, afirmando que Vladivostoque fazia parte da China. Eles alegam que o território era a pátria manchúria de Qing, mas foi anexada pelo império russo em 1860, depois que a China foi derrotada pelos britânicos e franceses durante a Segunda Guerra do Ópio.

Em 2 de julho, o jornalista Shen Shiweim, da emissora estatal chinesa (porta-voz do Partido Comunista Chinês) China Global Television Network (CGTN), tuitou: “Este ‘tweet’ da embaixada russa na China não é tão bem-vindo no Weibo. A história de Vladivostoque (literalmente “Governante do Oriente”) é de 1860, quando a Rússia construiu um porto militar. Mas a cidade era Haishenwai como terra chinesa, antes que a Rússia a anexasse através do desigual Tratado de Pequim”.

A emissora estatal da China é conhecida por fazer reivindicações territoriais absurdas. Alguns meses atrás, a CGTN tuitou: “Uma auréola solar extraordinária foi vista na sexta-feira nos céus do Monte Qomolangma, também conhecido como Monte Everest, o pico mais alto do mundo, localizado na Região Autônoma do Tibete na China”.

A declaração da emissora estatal chinesa faz parte das tentativas do Partido Comunista Chinês (PCC) de alterar a posição do pico mais alto do mundo, o Monte. Everest, destacando seu lado tibetano e encobrindo o lado nepalês. Posteriormente, a China Global excluiu o tweet.

Quanto às reivindicações da China sobre a cidade russa de Vladivostoque, estas não se limitam apenas a declarações da mídia estatal chinesa, diplomatas chineses também se manifestaram. Zhang Heqing, diplomata da China atualmente no Paquistão disse: “Não era isso [Vladivostoque] que no passado era o nosso Haishenwai?”

Alguns “usuários” das redes sociais, que possivelmente sejam da célula de TI do PCC, também reivindicaram o território russo. Um “usuário” do Weibo escreveu: “Hoje só podemos suportar, mas o povo chinês se lembrará; uma geração após a outra continuará se lembrando!” O site SCMP cita outro usuário dizendo: “Precisamos acreditar que essa terra ancestral voltará para casa no futuro!”

A mentalidade expansionista do governo comunista chinês com suas reivindicações, com base no que aconteceu em meados do século XIX, é preocupante para a ordem de paz entre as nações; e a lógica do Partido Comunista Chinês de reivindicar o território de países vizinhos é absurda. Xi Jinping reivindica insustentavelmente territórios baseados em precedentes históricos que datam dos séculos XIII e XIV, de dinastias chinesas antigas como Ming, Qing e Yuan.

A China tem disputas fronteiriças com 18 países, incluindo Brunei, Tajiquistão, Índia, Coreia do Norte, Nepal, Butão, Malásia, Mongólia, Coreia do Sul e Filipinas.

Relações sino-russas

Essa ofensiva do PCC contra a Rússia em tempos de crise pode alterar o rumo das relações russas com Pequim nos próximos dias. A comunidade internacional estará de olho no Oriente, mesmo sabendo que essa relação da Rússia com a China nunca foi realmente uma amizade, mas apenas uma aproximação devido às sanções impostas pelo Ocidente, principalmente após a anexação da Crimeia em 2014.

O dragão é expansionista e tende a flexionar seus músculos em tempos de crise, como fez agora durante a pandemia. A reação da China sobre o vídeo postado pela Embaixada da Rússia pode ser o estopim para que Moscou mude o curso das relações sino-russas.

A China tem várias regiões ambíguas ao longo de sua fronteira com a Rússia, bem como a Linha de Controle Real (ALC) e a linha McMohan com a Índia. Além disso, Moscou está apreensiva com os investimentos chineses no Extremo Oriente russo. Este território russo, escassamente povoado, possui recursos naturais abundantes e tradicionalmente é considerado vulnerável à influência chinesa ou mesmo à colonização.

O governo comunista chinês quer avançar seu império além das fronteiras da China, e não poupará seus “aliados”. Porém, sua atitude poderá forçar a Rússia a combater essa dependência da China, substituindo suas parcerias e se aproximando de outras potências regionais como a Índia.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Empresa de streaming foi punida por não excluir um vídeo de 31 segundos sobre a cidade de Bucha.

Mundo

Agência reguladora de imprensa aplicou pena de R$ 29 mil ao veículo.

Mundo

Segundo Pequim, autoridades japonesas 'se comportaram mal' ao falar sobre as tensões na região.

Mundo

Ministério da Defesa taiwanês diz que China lançou 11 mísseis em águas perto da ilha.

----- CLEVER ADS -----