Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Trump proíbe nos EUA 8 aplicativos vinculados à China por meio de ordem executiva

Na noite de terça-feira (5), o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma nova ordem executiva proibindo qualquer transação nos EUA com oito aplicativos de software chineses.

A ordem executiva proíbe “qualquer transação por qualquer pessoa, ou com relação a qualquer propriedade, sujeita à jurisdição dos Estados Unidos” de fazer negócios com pessoas que “desenvolvam ou controlem” o Alipay, CamScanner, QQ Wallet, SHAREit, Tencent QQ , VMate, WeChat Pay e aplicativos de software WPS Office. A proibição entra em vigor 45 dias após a assinatura da ordem de Trump.

A ordem executiva declara: “Os Estados Unidos avaliaram que uma série de aplicativos chineses de software conectados capturam automaticamente vastos campos de informações de milhões de usuários nos Estados Unidos, incluindo informações confidenciais de identificação pessoal e informações privadas, o que permitiria à China e ao PCC acesso às informações pessoais e proprietárias dos americanos.”

Em uma carta que acompanhava o Congresso, Trump disse: “A atividade contínua da [República Popular da China] e do Partido Comunista Chinês para roubar ou de outra forma obter dados de pessoas dos Estados Unidos deixa claro que há uma intenção de usar a coleta de dados em massa para promover a agenda econômica e de segurança nacional da China”, escreveu Trump. “Para lidar com essa ameaça, medidas adicionais são necessárias contra aqueles que desenvolvem ou controlam certos aplicativos de software conectados na China para proteger nossa segurança nacional.”

A ordem de Trump também direciona o Secretário de Comércio a avaliar aplicativos de software operados pela China adicionais que podem representar um risco para a segurança nacional dos EUA. O Secretário de Comércio também é orientado a consultar o Procurador-Geral e o Diretor de Inteligência Nacional para fornecer ao Assistente do Presidente para Assuntos de Segurança Nacional outras recomendações sobre as formas de prevenir a venda, transferência ou acesso de dados dos EUA a adversários estrangeiros.

A última ordem executiva veio duas semanas após o Departamento de Segurança Interna (DHS) alertar as empresas dos EUA para evitarem os serviços de hardware e software chineses após avaliarem que as novas leis chinesas poderiam ser usadas para obrigar as empresas chinesas a entregar dados de seus parceiros de negócios e clientes dos EUA às autoridades comunistas chinesas.

Com a ordem definida para entrar em vigor após 20 de janeiro, quando se espera que Joe Biden tome posse, não está claro como a ordem afetará a política dos EUA para o novo governo. Um funcionário dos EUA disse à Reuters que, embora o pedido não entre em vigor por 45 dias, o Departamento de Comércio planeja começar a identificar transações proibidas antes de 20 de janeiro.

Outro funcionário disse à Reuters que o último pedido de Trump é semelhante aos que ele emitiu contra o TikTok, outro aplicativo de software de propriedade chinesa, que o TikTok contestou.

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Mundo

Mais de 30 nações estão inseridas no protocolo de autorização.

Mundo

Estudantes estão entre as vítimas.

Mundo

Informação foi anunciada pelo governador Gavin Newsom durante coletiva de imprensa.

Governo

Apesar do ruído midiático, não houve registro de manifestações expressivas contra o mandatário.