Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

União Europeia nomeia oficialmente a China como fonte de desinformação sobre o coronavírus pela primeira vez

Xi Jinping China

A Comissão Europeia nomeou oficialmente a China como fonte de desinformação sobre a pandemia de coronavírus.

Em um comunicado de imprensa publicado em 10 de junho, a Comissão Europeia anunciou que estava avaliando seus passos para combater a desinformação, alegando que houve “uma onda maciça de informações falsas ou enganosas” durante toda a pandemia.

A declaração continua, mencionando que “atores estrangeiros” estiveram envolvidos em campanhas de desinformação globalmente, e aponta especificamente a China e a Rússia como “atores”.

A Comissão afirmou: “Os atores estrangeiros e certos países terceiros, em particular a Rússia e a China, se envolveram em operações de influência direcionadas e campanhas de desinformação na UE, na vizinhança e no mundo”.

É a primeira vez que a Comissão menciona a China como fonte de desinformação on-line ligada à pandemia de Covid-19.

Em seu relatório, a Comissão descreve as medidas que devem ser tomadas globalmente para combater a desinformação, incluindo o incentivo das plataformas on-line a fornecer relatórios mensais sobre as ações que estão sendo tomadas para alcançar esse objetivo.

Melhoria ou censura?

A Comissão também disse que “melhoraria o apoio ao monitoramento de violações da liberdade de imprensa e a defesa de um ambiente mais seguro da mídia”.

A declaração continuou a distinguir “desinformação” (informação falsa ou enganosa que é espalhada deliberadamente para enganar) de “informações erradas” (que podem não ser intencionais).

A Comissão afirmou que a desinformação foi definida como conteúdo falso ou enganoso, publicado com intenção. Por outro lado, informação errada não é intencional, afirmou.

O Ministro de Assuntos Exteriores, União Europeia e Cooperação da Espanha, Josep Borrell (Partido Socialista Europeu), disse que as campanhas de desinformação são uma “arma reconhecida” usada por atores estatais e não-estatais.

Borrell acrescentou: “Desinformação em tempos de coronavírus pode matar. Temos o dever de proteger nossos cidadãos, conscientizando-os de informações falsas e expondo os atores responsáveis ​​por se envolver em tais práticas”.

E a Vice-Presidente da Comissão Europeia de Valores e Transparência, Věra Jourová (ALDE – Partido da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa), disse que as plataformas on-line precisam “intensificar seus esforços” para combater informações falsas.

“As campanhas de desinformação atingiram a Europa durante a pandemia de coronavírus. Eles se originaram tanto dentro como fora da UE”, disse Jourová. “Para combater a desinformação, precisamos mobilizar todos os atores relevantes, desde plataformas on-line até autoridades públicas, e apoiar verificadores de fatos e mídias independentes”.

As recomendações para plataformas online – presumivelmente empresas como Facebook e Twitter – não pareciam ser vinculativas, embora o Politico relate que as regras para essas plataformas serão publicadas até o final do ano.

O site Politico acrescenta que Jourová, falando aos repórteres em relação à suposta desinformação do Governo comunista chinês, se recusou a comentar se as autoridades da UE viram uma atividade on-line coordenada e inautêntica da China, semelhante à atividade russa nos últimos anos.

Um porta-voz da Missão Chinesa na União Europeia disse que a China “sempre se opõe à fabricação e disseminação da desinformação”, segundo o Politico.

No início de abril, a UE enfrentou dúvidas sobre as alegações de que um relatório sobre a desinformação da Covid-19 havia sido diluído após a pressão de Pequim.

O eurodeputado holandês Bart Groothuis escreveu a Josep Borrell, Ministro de Assuntos Exteriores, União Europeia e Cooperação, pedindo uma “explicação formal e completa” sobre o relatório, disse o The Guardian.

A atitude da União Europeia em relação à China surpreendeu a muitos. No entanto, levanta questionamentos sobre o  uso do “combate da desinformação”, produzida pela China e Rússia durante a pandemia, como pretexto para empurrar medidas que estão sendo tomadas globalmente para trazer uma censura online através de agências verificadoras de fatos, violando o direito à liberdade de expressão.

 

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Agência reguladora de imprensa aplicou pena de R$ 29 mil ao veículo.

Mundo

Segundo Pequim, autoridades japonesas 'se comportaram mal' ao falar sobre as tensões na região.

Mundo

Ministério da Defesa taiwanês diz que China lançou 11 mísseis em águas perto da ilha.

Mundo

Ministério das Relações Exteriores russo pede aos EUA que reconheçam 'nova realidade geopolítica'.

----- CLEVER ADS -----