Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Análise

Trump ainda pode vencer?

Independentemente de relatos da mídia, não há “presidente eleito” até que os representantes do povo – o Congresso – o declarem, certificando o vencedor.

Independentemente de relatos da mídia, não há "presidente eleito" até que os representantes do povo - o Congresso - o declarem, certificando o vencedor.

Esta segunda-feira (14/12) foi histórica. Em uma demonstração de protesto, os delegados republicanos de Wisconsin, Michigan, Nevada, Pensilvânia, Geórgia, Arizona e Novo México deram votos de procedimento para Donald Trump. Ao mesmo tempo, nesses estados, os delegados democratas votaram em votos eleitorais sancionados pelo estado para Joe Biden. No entanto, os delegados republicanos de vários estados não reconheceram a legitimidade destes delegados democratas.

O voto de protesto dos delegados do Partido Republicano preserva a capacidade do atual presidente dos EUA, Donald Trump, continuar suas batalhas judiciais e abre caminho para o que poderia ser um confronto épico durante uma sessão conjunta do Congresso no próximo ano.

Em primeiro lugar, alguns fatos básicos: os estados enviarão seus votos eleitorais a Washington nas próximas semanas. O Congresso deve, por meio de uma Sessão Conjunta, certificar essas cédulas e determinar quem ganhou a eleição. Independentemente de relatos da mídia, não há “presidente eleito” até que os representantes do povo – o Congresso – o declarem, certificando o vencedor.

A Sessão Conjunta do Congresso começa com o presidente do Senado dos Estados Unidos registrando os delegados dos estados.

E quem é o presidente do Senado dos EUA? O vice-presidente, Mike Pence.

Alguns juristas argumentaram que, onde há disputas de delegados, o vice-presidente tem autoridade legal para reconhecer a chapa de delegados que ele acredita ser verdadeira e correta. Por outro lado, diversos juristas afirmaram que Pence não tem esse poder e só pode reconhecer a chapa eleitoral transmitida ao Congresso por funcionários estaduais.

Qual dessas posições está correta? Não há uma resposta definitiva. A Suprema Corte dos Estados Unidos nunca precisou tratar da questão, mas Trump pode forçar a abertura de um precedente em 2021.

A possibilidade de se o vice-presidente Mike Pence poderia reconhecer a chapa dos delegados republicanos no registro é uma questão de lei aberta. Da forma como está, isso é, pelo menos, teoricamente possível.

Mas mesmo que Pence reconheça os delegados democratas nos registros, isso não significa que Joe Biden se torna automaticamente o presidente dos EUA.

Segundo a lei, o Congresso pode se opor à contagem dos delegados de um estado. Isso requer que um membro da Câmara e do Senado se oponham. Se uma objeção for levantada, a Sessão Conjunta do Congresso é dissolvida e a Câmara e o Senado se reúnem separadamente para debater o voto do estado contestado.

Cada Câmara deve então votar se aceita ou rejeita a chapa de votos dos delegados daquele estado. Para que os delegados de um estado sejam lançados, tanto a Câmara quanto o Senado devem votar para fazê-lo.

Os republicanos começarão o novo ano com controle sobre o Senado, 51-48, enquanto se aguarda o resultado na Geórgia. Os democratas controlarão de forma restrita a Câmara. É duvidoso que a Câmara, controlada pelos democratas, vote para excluir os delegados de um estado da contagem. No entanto, alguns advogados notaram que a lei não exige abertamente o voto de cada membro na Câmara dos EUA, embora isso tenha acontecido no passado.

Esses juristas apontam que a Câmara poderia votar na Delegação da Câmara por objeções, em vez de por assento (por lista de chamada). Esses advogados argumentam que a votação na Delegação da Câmara é permitida pela lei e concorda com a 12ª Emenda, que exige um único voto por estado em uma eleição contestada. Se a Câmara votar por objeções, as chances de Trump disparariam.

De qualquer forma, se o processo levar a um impasse porque a Câmara e o Senado não conseguem certificar delegados suficientes para empurrar um candidato para 270 votos eleitorais, então a 12ª Emenda é acionada.

Quando nenhum dos candidatos obtém 270 votos eleitorais, a 12ª Emenda instrui que cabe à Câmara a eleger o presidente no que é conhecido como uma “eleição contingente”.

Segundo o procedimento constitucional, o conjunto de deputados de cada um dos 50 estados tem direito de dar um único voto na delegação da Câmara. Observe que isso não é como uma votação tradicional na Câmara, onde cada membro vota. Mas as delegações da Câmara são determinadas pelo partido que controla a maioria dos Representantes de um determinado estado. Em 2021, os republicanos controlarão a maioria das delegações da Câmara, tendo o voto de 26 estados.

Portanto, se chegar a um impasse durante o processo de certificação em 6 de janeiro de 2021, quem se torna presidente pode ser determinado pelas delegações da Câmara. Se isso acontecer, aumentam as chances de Trump ser presidente dos EUA por mais quatro anos.

Com informações, The Election Wizard.

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Saúde

Sistema combina três funções importantes: controle motor intuitivo, cinestesia de toque e preensão, a sensação intuitiva de abrir e fechar a mão.

Governo

Segundo o governo, trata-se de um ataque ransomware, em que os invasores geralmente pedem dinheiro em troca de dados sequestrados.

Judiciário

Ela é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido.

Judiciário

Ex-deputado foi preso por decisão do ministro Alexandre Moraes, do STF.