Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

Câmara aprova proibição de tatuagem e piercing em cães e gatos

Proposta diz respeito a procedimentos realizados por motivos estéticos. Texto vai ao Senado.

Pedro França | Agência Senado

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (19), por 397 votos a favor e duas abstenções, projeto de lei que proíbe a realização de tatuagens em animais com fins estéticos. O ato será sujeito a detenção de três meses a um ano e multa. A proposta segue para análise do Senado Federal.

“Fazer uma tatuagem em um animal de estimação não há outra razão senão aquela de satisfazer as preferências estéticas de seus donos, causando dores inúteis nos bichos. Além do sofrimento causado pela dor, os animais tatuados são expostos a diversas outras complicações, como reações alérgicas à tinta e ao material utilizado no procedimento, infecções, cicatrizes, queimaduras e irritações crônicas”, argumentou o autor da proposta, deputado federal Fred Costa (Patriotas-MG).

O texto aprovado deixa explícito que a proibição se aplica apenas a tatuagens e piercings realizados por motivos estéticos em cães e gatos. Segundo o relator, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), o objetivo é evitar qualquer questionamento sobre a legalidade de procedimentos utilizados na identificação, rastreabilidade e certificação de animais de produção do agronegócio – bois, cavalos e porcos.

“[O tema] gerou certa polêmica em razão de os animais de produção precisarem de marcações, de brincos, ou até mesmo em animais domésticos, os pets, por exemplo, quando há um serviço de castração. Em alguns casos, na maioria dos casos, melhor dizendo, é feita uma tatuagem na parte interna da orelha da fêmea que foi castrada, para que se haja a diferenciação de outros animais. Então é uma tatuagem que não tem fim estético. Nós estamos aqui falando sobre estética em animais”, explicou.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Saúde

Pesquisa foi conduzida pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Congresso

Senadora ocupou a presidência da comissão nos últimos dois anos.

Judiciário

Bruno Bianco enviou parecer em ação ajuizada pelo PDT.

Política

Nas redes sociais, deputada reprovou a conduta dos congressistas que integram a comissão.