Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

‘Não aceitarei ser ameaçado’, diz Alcolumbre, sobre sabatina de Mendonça

Tensão continua nos bastidores do Congresso.

Leopoldo Silva | Agência Senado

Nesta quarta-feira (14) o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), divulgou nota em que diz estar sofrendo “agressões de toda ordem” por causa do ‘travamento’ da indicação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (STF).

“Tenho sofrido agressões de toda ordem. Agridem minha religião, acusam-me de intolerância religiosa, atacam minha família, acusam-me de interesses pessoais fantasiosos. Querem transformar a legítima autonomia do presidente da CCJ em ato político e guerra religiosa”, diz o texto.

No comunicado, Alcolumbre não faz menção aos nomes de Mendonça ou do presidente Jair Bolsonaro. No entanto, fez questão de dizer que nunca praticou “troca de favores com quem quer que seja.”

Na terça, 12, de acordo com a CNN Brasil, Davi Acolumbre informou a aliados que pretende segurar a análise do nome do ex-chefe da AGU até 2023.

Ainda segundo a emissora, a articulação de Alcolumbre é, na prática, atuar para que a indicação de Mendonça perca validade e, consequentemente, a vaga na Corte seja ocupada por quem garantir o próximo mandato presidencial.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Judiciário

Ação diz que senador comete crime ao não marcar a sabatina de André Mendonça.

Governo

Chefe da CCJ do Senado Federal é contra a escolha do ex-AGU para o Supremo.

Congresso

Advogados da Casa responderam ao processo no STF ajuizado pelos senadores Kajuru e Vieira.