Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Governo

Bolsonaro vetará passaporte sanitário se medida for aprovada no Congresso

Proposta foi aprovada no Senado Federal.

O assessor internacional da presidência da República, Filipe G. Martins, informou que Jair Bolsonaro deve vetar integralmente a proposta de passaporte sanitário no Brasil caso o projeto seja aprovado no Congresso Nacional.

A informação foi dada com exclusividade pelo programa ‘Os Pingos Nos Is’, da Jovem Pan.

Na última quinta-feira (10), conforme registrou o Conexão Política, o Senado aprovou, por 72 votos a 0, projeto que cria um certificado sanitário para autorizar que pessoas vacinadas ou testadas possam entrar em espaços públicos e privados.

O objetivo, de acordo com o texto, é disponibilizar à União, aos Estados e aos Municípios “informações adequadas para a administração e o balanceamento das medidas profiláticas restritivas de locomoção, ou de acesso de pessoas a serviços ou locais, públicos ou privados”.

A proposta já seguiu para análise da Câmara dos Deputados.

Entenda o projeto de lei 

Com autoria do senador Carlos Portinho (PL-RS), o Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS) visa garantir, em território nacional, autorização de entrada em locais e eventos públicos, hotéis, cruzeiros, parques e reservas naturais, entre outras possibilidades.

De acordo com a Agência Senado, a proposta defende a implementação por meio de plataforma digital e poderá ter sua validade fixada com base nos seguintes certificados: Nacional de Vacinação (CNV), Internacional de Vacinação (CIV), Nacional de Testagem (CNT) e Internacional de Testagem (CIT).

O texto prevê que o titular do certificado não poderá — submetido a normas sanitárias — ser vedado de acessar, circular ou utilizar qualquer espaço público ou privado, assim como não poderá sofrer sanções.

Outra ponto previsto é a divulgação, na entrada do local, de forma ostensiva, visível e escrita, da seguinte informação: “O ingresso neste local está condicionado à apresentação do Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS)”.

O estabelecimento, público ou privado, deve se responsabilizar de exercer o comando de entrada, por meio de uma  exposição do CSS válido por cada pessoa — na versão eletrônica ou impressa — e quem não manifestar nenhuma comprovação será barrado de entrar.

Ainda segundo o texto, empresas e estabelecimentos comerciais que se submeterem aos devidos requisitos — seguindo todas as medidas sanitárias profiláticas — não poderão sofrer sanções, restrições ou serem impossibilitados de funcionar.

O relator da proposta, senador Veneziano Vital do Rêgo, do MDB da Paraíba, ressalta ainda que, com o certificado, as autoridades terão as informações precisas para administrar as medidas restritivas e, de forma estratégica, conter o avanço da pandemia. Sendo assim, o certificado seria exigido em épocas de pandemia e surtos.

Na fase de transição, de acordo com o parlamentar, não seria solicitado o certificado para ter acesso —  o ir e vir — ou estar presente em qualquer ambiente. A proposta atuaria especificamente em momentos de anormalidade.

Por fim, destaca que, tempos considerados normais, ninguém será obrigado a apresentar qualquer comprovação para ter acesso a locais públicos e privados.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Governo

Mandatário manifestou preocupação sobre o assunto.

Política

Tom da fala já vem sendo ecoado pelo mandatário há cerca de dois meses.

Governo

Declarações ocorreram nesta segunda (22), em Brasília.

Política

Tratativas visam avançar interesses em torno da entrada do mandatário na sigla.