Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Governo

Não haverá vacinação de crianças em 2021, afirma ministro da Saúde

De acordo com Marcelo Queiroga, decisão final passará por consulta e audiência públicas.

Walterson Rosa | Min. da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou neste último sábado (18) que a decisão do governo federal em vacinar crianças de 5 a 11 anos será tomada no dia 5 de janeiro, após audiência pública a ser realizada no dia anterior.

Em conversa com jornalistas, ele disse que a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não é suficiente para viabilizar a aplicação da substância nos pequenos.

“[Só a autorização da Anvisa] não é suficiente. Porque, se você olhar todas as políticas públicas do Ministério da Saúde e verificar todas as autorizações que a Anvisa deu em relação a medicamentos, a dispositivos médicos, basta ver o que tem [sido] autorizado pela Anvisa e o que está incorporado no SUS [Sistema Único de Saúde]. São avaliações distintas”, explicou.

Queiroga argumentou que aguarda parecer da Câmara Técnica Assessora de Imunizações (CTAI). O documento será levado na próxima semana para apreciação em uma consulta pública, um mecanismo de participação social não presencial, usado por entes públicos para subsidiar o processo de tomada de decisão.

“No dia 4 de janeiro, faremos uma audiência pública para discutir o que foi oferecido em consulta pública que, em adição ao posicionamento da CTAI, servirá de base para a decisão final do Ministério da Saúde”, acrescentou.

Questionado pelos repórteres por que o aval da Anvisa já não resolveria a questão, Queiroga ressaltou que a decisão não é da agência, e sim dele.

“Eu sou a principal autoridade sanitária do Brasil e não abro mão de exercer as minhas prerrogativas. Porque elas decorrem da decisão do mandatário máximo da nação, que me incumbiu essa missão”, respondeu.

Ele destacou o papel da CTAI, órgão criado em 1975, nesse processo. “A introdução desse produto dentro de uma política pública requer uma análise mais aprofundada. E, no caso de imunizantes, a análise técnica é feita com o apoio da Câmara Técnica Assessora de Imunizações.”

O ministro também elogiou a secretária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite de Melo, e disse que confiou a ela a palavra final sobre o assunto.

“Essa decisão não será uma decisão direta do ministro. O ministro é o último elemento dessa cadeia decisória. A secretária Rosana vai emitir essa decisão e nós confiamos bastante nela”, finalizou.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Governo

Em discurso, Marcelo Queiroga citou a alta taxa de imunização em solo brasileiro.

Política

Capital fluminense aplicou a substância em pouco mais da metade do público infantil.

Judiciário

Mãe da aluna alegou que a obrigatoriedade representaria cerceamento de diversos direitos.

Últimas

Anvisa ainda não liberou a utilização do autoteste no país